Perigo atômico no ar após terremoto e tsunami no Japão

Perigos da energia atômica

Do Blog ECOnsciência

Os trágicos acontecimentos no Japão comprovam mais uma vez que a energia nuclear é incontrolável. Está na hora de deixá-la de lado e investir nas alternativas para o futuro. A opinião é da jornalista Judith Hartl, chefe da Editoria de Ciência da Deutsche Welle. *

ENERGIA NUCLEAR É PERIGOSA E ULTRAPASSADA

A catástrofe nuclear no Japão vai mudar o mundo, e de forma permanente. Ela deixa claro o quão perigosa e incontrolável a energia atômica de fato é. Sim, conseguimos controlar a fissão nuclear. Sim, sabemos como os átomos se comportam e o que temos de fazer para que eles forneçam uma enorme quantidade de energia.

Mas sabemos também que especialistas, físicos atômicos e políticos ficam assustadoramente perplexos quando uma usina nuclear resolve se comportar de forma não prevista. Aí o que predomina é a impotência, e a simples esperança de que a fusão do núcleo do reator pare por si mesma.

Argumentar que o Japão conhece o barril de pólvora sobre o qual está sentado, e que terremotos como o atual não acontecem na Alemanha, é simplificar as coisas. E se um avião cair sobre uma central? E quanto aos ataques terroristas, às múltiplas falhas técnicas ou humanas?

Além disso, o perigo não reside apenas nas panes – também o lixo radiativo, para o qual ninguém tem um destino adequado, vai um dia se tornar um obstáculo. Até hoje não existe em nenhum país do mundo um lugar adequado para depositar detritos atômicos, apesar de buscas intensas.

Queremos continuar correndo esses riscos? Apesar de termos alternativas mais promissoras, como a energia solar e a eólica? Essas são energias renováveis, que nos tornam independentes do petróleo, que não oferecem perigo, que são sustentáveis e que não comprometem as gerações futuras. É nessas energias que devemos investir. Elas não são um sonho ambientalista. Elas representam uma sociedade limpa, sustentável e moderna.

A energia nuclear, por outro lado, está ultrapassada. Ela é poluente e perigosa e consome recursos naturais. O urânio, combustível das usinas nucleares, está em declínio. Há urânio suficiente para no máximo 50, 60 anos, calculam especialistas. Isso é sustentável? Os únicos que asseguram que sim, são os lobistas da energia atômica e as empresas de energia, que se enriquecem com a fissão nuclear e exercem enorme influência sobre a política.

Tomara que a catástrofe no Japão sirva para acordar os políticos. Chegou a hora de eles mostrarem coragem. Coragem de virar as costas para o passado e investir nas energia e tecnologias do futuro.

* A Deutsche Welle (em português “onda alemã”) é uma empresa de radiodifusão da Alemanha, com sedes em Bonn e Berlim, que transmite para o exterior programas de rádio em 30 línguas, além de oferecer uma programação televisiva em quatro idiomas e um amplo portal de conteúdo online em 30 línguas. É o equivalente alemão a redes de notícias como a BBC World. Atualmente é a 10º maior emissora do mundo.

Não deixe de ler também:

RISCO DE ‘INVERNO NUCLEAR’ EM PARTE DO JAPÃO POR ATÉ 300 ANOS

* * *

Blog ECOnsciência Inovadora

Deixe um comentário interessante neste artigo: