Orelhas dos elefantes servem como parabólicas de meteorologia

PARA CAPTAR RUÍDO DE CHUVA E TROVOADA

Audição dos elefantes

Se os dentes grandes do Lobo Mau disfarçado como vovozinha servem para comer Chapeuzinho Vermelho, as enormes orelhas de abano dos elefantes africanos se prestam a ouvir bem.

E saber onde tem água. Diferentes da morfologia dos primos habitantes nas úmidas florestas asiáticas, os pavilhões dos paquidermes desempenham papel de vida ou morte na seca savana da África.

Agora, cientistas da Texas A & M University descobriram que o apêndice auricular dos bichos funciona como uma antena parabólica capaz de detectar chuva a até 240 quilômetros de distância.

Já se sabia que, além da memória prodigiosa, os elefantes ouvem muito bem. O que se desconhecia era a sua capacidade de captar os burburinhos de baixíssima frequência de chuva e trovoadas.

INSTINTO METEOROLÓGICO

Para decifrar o que motivava as bruscas mudanças de rumo durante os movimentos migratórios, os estudiosos usaram rastreadores GPS em diferentes manadas durante sete anos seguidos.

Foi assim que notaram que os animais alteram constantemente seu curso durante a estação chuvosa na Namíbia, no período compreendido entre os meses de janeiro e março.

Os peritos observaram que os elefantes, através desse instinto meteorológico, podiam “sentir” que estavam a centenas de quilômetros de distância da água e avançar para as tempestades.

Essa capacidade de previsão dos elefantes será usada a partir de já para ajudar os conservacionistas a monitorar os rebanhos de forma preventiva para mantê-los a salvo de caçadores furtivos.

Com Daily Mail

Deixe um comentário interessante neste artigo: