Oposição midiática mais nanica com escândalo Demóstenes

ACM Neto - tampinha

A PALHAÇADA DA VELHA MÍDIA

O Chefe de Redação

O caso Demóstenes reduz a força de uma oposição que, embora minoritária nos governos Lula, teve uma farta cobertura da mídia tradicional e o apoio de figuras-chave de outras instituições (como Justiça, polícias e bancadas de oposição).

Essa bandidagem política manteve um noticiário ofensivo quase 365 dias por ano e erigiu para a opinião pública um cenário constante de crises. E colheu êxito na construção de factoides que mantiveram o governo petista na defensiva, no plano institucional, por quase todos os oito anos de Lula.

O mais novo escândalo enfraqueceu essa estratégia e reduziu quase a pó a já minoria oposicionista. A crise política envolvendo um dos seus deve eliminar, de fato ou de direito, o DEM do quadro partidário.

O partido já havia perdido boa parcela de suas bancadas para o PSD de Gilberto Kassab e terminou de ser demolido com a exposição à execração pública de seu mais midiático integrante.

Esquálida, a legenda de Agripino Maia (RN) tem como alternativa apenas a incorporação ao PSDB – o partido que foi criado, em 1987, para ocupar o espaço da social-democracia, terminará o seu percurso inexorável rumo à direita, abraçado com ACM Neto. (…)

Texto de Maria Inês Nassif, completo aqui

Deixe um comentário simpático neste artigo: