O maior panetone do mundo nas garras do fascismo

E não é só aqui que os políticos enfiam a mão na massa do pão mais celebrado do momento.

O ministro da agricultura da Itália, por exemplo, é reconhecido como tendo um ego do tamanho do maior panetone do mundo.

Luca Zaia (foto), estrela do novo fascismo que varre a Europa, lidera um movimento xenofóbico que decidiu expulsar de várias cidades os restaurantes étnicos não italianos numa tentativa de purificação da cozinha italiana pela força da lei.

Ele defende a discriminação contra a culinária estrangeira em solo italiano sob o argumento de que a cozinha regional não foi importada nos séculos 18 (ou 16 e 17), mas descende da Roma Antiga, da época dos Cesares. Por isso, acredita que ela deva ser conservada em sua essência original. E Ave Cesar!

Um comentário em “O maior panetone do mundo nas garras do fascismo

  • 6 de dezembro de 2009 em 22:08
    Permalink

    To começando a ficar na bronca com essse tal de panettone. Pelo andar da carruagem vou fugir do bicho nesse Natal. Até lá vai dar indigestão em todo mundo.

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: