Nada corrompe mais o Brasil do que esse tribunal e seus juízes

Globo decide julgamento no STF

O MANDA-CHUVA DO STF

O Chefe de Redação

Falar de kurrupção sem dizer que o capitalismo é essencialmente corruptor e corrompe tudo e todos, é fazer pregação moralista, metida a ‘ética’ que, no máximo, trocará os nomes dos kurruptos eleitos pela televisão e a imprensa do capital. Todos continuarão – kurruptos e kurruptores em tempo integral – como são, sempre foram e continuarão sendo eternamente no mundo. Festejando o capital.

KAPITALISMO DE VUDU & KORRUPÇÃO

Por Márcia Denser *

Estou repassando – com algumas “melhorias” de estilo, of course – um texto do coletivo Vila Vudu, grupo altamente provocador de tradutores radicalmente democráticos e progressistas, e, justamente por isso, plenamente sintonizado com minhas ideias, lá vai:

“Dois assuntos que não nos interessam nem mobilizam: a tal de kurrupção e os correspondentes discursos antikurrupção. A tal de kurrupção é doença do capitalismo, mais aguda no capitalismo senil, igual em todo o mundo desde sempre.

O capital manda no mundo e criou imprensa e universidade liberais, EXATAMENTE porque o capital corrompe tudo e todos e sempre, a começar pela imprensa e pela universidade liberais.

Falar de kurrupção sem dizer que o capitalismo é essencialmente corruptor e corrompe tudo e todos, é fazer pregação moralista, metida a ‘ética’ que, no máximo, trocará os nomes dos kurruptos eleitos pela televisão e a imprensa do capital, e todos continuarão – kurruptos e kurruptores em tempo integral – como são, sempre foram e continuarão sendo eternamente no mundo. Festejando o capital.

E é pregação moralista fascistóide, que rapidamente vira degola, pelo que tem de violenta e arbitrária, além de ’legal’, sempre com alguma teoria de autojustificação, que salva o arbítrio e o autoritarismo e os tornam, não só arbitrários, autoritários e ‘legais’, como também lógicos e “em tese”. Sic transit a ‘justiça’ do capital.

Se a teoria que justifica o arbítrio e o autoritarismo for norte-americana, neste Brasil das ideias fora de lugar, ok: é só mais uma macaqueação ridícula. Mas se a tal teoria surgir na Alemanha nazista, cruzes! Aí é preciso espernear MUITO! A exemplo da “Teoria do Domínio do Fato”, que pintou na cabeça dum teórico do Direito, Hans Welzel, em 1939, na Alemanha.

Não importa quem seja o jurista. Nada muda. Aliás, não sabemos nada de leis e direito, mas sabemos um pouco sobre 1939 e a Alemanha.

Naquele ano reinava na Alemanha como juiz e degolador incontestável Herr Goebbels, que várias vezes se serviu da “Teoria do Domínio do Fato” para seus propósitos. Porque, se há um fato que todos dominam perfeitamente é que, num mundo onde reina Goebbels, só se difundem e prosperam teorias do direito que Goebbels aprecia e sirvam adequadamente para aplicar o direito à sua moda.

Pois, em 2012, em Brasília, ainda há juízes que sequer se envergonham de evocar essa teoria do direito à moda Goebbels para punir kurruptos. Não se exigem muitos argumentos: tudo depende de se dominarem os factoides.

Ainda que os condenados por essa teoria do direito à moda Goebbels fossem kurruptos TOTAIS, como os kurruptos da Privataria Tucana, ainda assim, seria preciso respeitar MUITO o direito democrático e a democratização, ao invés de punir kurruptos com base em teorias do direito e leis que prosperaram sob o nazismo.

Por isso tudo, não nos interessa nem nos mobiliza nenhuma discussão sobre kurruptos e kurrupção que não diga, no primeiro parágrafo, que o capital é o agente corruptor básico. Sempre. Em todos os casos. Por mais que se dominem fatos, os data vênia e quejandos, etc. etc. etc. e tal.

A kurrupção não vive sem o besteirol metido a ‘ético’. E o besteirol metido a ‘ético’ não sobrevive sem a kurrupção e AMBOS são o ar que o capital e o capitalismo respiram, sem o qual não sobrevivem.

A propósito, o ministro José Dirceu e o deputado José Genoíno que, em 1964 foram condenados por ‘juristas’ e leis da ditadura militar, são condenados, em 2012, por juristas e leis supostamente democráticas, mas que ainda são, infelizmente, juristas e leis autoritárias.

Nada corrompe mais o Brasil, em 2012, do que esse tribunal e seus juízes.

Vergonha. Vergonha. Vergonha.”

Outra coisa que eles esqueceram de dizer mas eu completo: a justiça no Brasil é um bastião da Direita. Que está a serviço dos ricos e poderosos e não abre.

E todos de frente para o mar.

* Márcia Denser é escritora paulista e colunista do Congresso em Foco (com charge de Bessinha)

Deixe um comentário interessante neste artigo: