Nada a ver: a Ilha do Petróleo que as organizações Globo escondem


Cenpes - Petrobras

MAIOR CENTRO DE PESQUISA DE PETRÓLEO DO MUNDO

Esta é a Ilha do Petróleo, um dos mais ambiciosos e bem-sucedidos projetos em andamento no País na atualidade. Só que as imagens espetaculares do Cenpes você não vai ver na telinha da Globo nem nas páginas dos meios impressos da família Marinho. Aliás, da mesma forma como não foram mostradas as obras do PAC ou da transposição do rio São Francisco durante a campanha eleitoral do ano passado. É aquilo que todo mundo sabe: o que é bom para o Brasil essa gente não mostra nunca.

O Chefe de Redação

Em área de 400 mil metros quadrados na Ilha do Fundão, no Rio — que já vem sendo chamada de ilha do petróleo –, estão sendo construídos alguns dos principais centros de pesquisa e desenvolvimento petroquímico no mundo.

O complexo agrega as 16 principais multinacionais de tecnologia do setor, que já destinaram US$ 500 milhões ao projeto de construção de laboratórios.

A expectativa das empresas é, no mínimo, equiparar o polo do Rio ao da cidade texana de Houston, referência mundial e considerada atualmente “a capital do petróleo”.

Maior aposta de crescimento da economia brasileira até 2020, a produção de petróleo no pré-sal é o centro de atração dos projetos tecnológicos.

O complexo do Fundão terá prédios futuristas no campus da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e no entorno do Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras (Cenpes), já considerado de excelência em projetos de prospecção em águas profundas.

A principal vantagem apontada por técnicos é que, diferentemente de Houston, onde as empresas ficam afastadas, no Parque Tecnológico do Rio estarão concentradas.

“Esse tipo de concentração traz oportunidade única no mundo. É uma intensa troca de inovação e experiência, voltada especificamente para desenvolver a melhor e mais ampla tecnologia para o pré-sal”, sintetiza Maurício Guedes, presidente do Parque Tecnológico.

O complexo vem sendo construído aos poucos. Deve estar operando integralmente a partir de 2013. “Certamente veremos um salto de qualidade na engenharia de projetos dentro de quatro ou cinco anos”, estima.

Ilha do Petróleo - Fundão

Completo aqui com complemento no Conversa Afiada

* * *

O Chefe de Redação


Deixe um comentário simpático neste artigo: