Mundo teve 15 mil eventos climáticos extremos nos últimos 20 anos

VÍTIMAS FATAIS PASSARAM DE MEIO MILHÃO

Cachoeira no gelo

Chegam a ser assustadores os números dos últimos 20 anos de desastres naturais que aparecem em novo levantamento feito pelo instituto alemão Germanwatch, mesmo sem considerar o furacão Haiyan que acaba de devastar as Filipinas. Foram duas catástrofes diárias, em média.

Segundo o Global Climate Risk Index (Índice Global de Risco Climático), entre 1993 e 2012, mais de meio milhão de pessoas morreram em decorrência direta de aproximadamente 15 mil eventos climáticos extremos. Já os prejuízos econômicos foram de US$ 2,5 trilhões.

“A tragédia humana causada pelo super tufão Haiyan será apenas registrada em relatórios futuros. Mas nossos resultados são um alerta para mostrar que as políticas climáticas e um melhor gerenciamento de desastres são urgentes”, explicou Soenke Kreft.

O índice aponta que Honduras, Mianmar e Haiti foram os países que mais sofreram nos últimos 20 anos. Considerando apenas 2012, Haiti, Filipinas e Paquistão foram os que registraram mais perdas.

Mapa de eventos climáticos

O Germanwatch destaca que oito dos dez países no topo no índice são nações em desenvolvimento e com baixa renda per capita. Além disso, apresentam baixa industrialização e por isso praticamente não contribuíram para as mudanças climáticas.

Entre os eventos extremos aparece o furacão Sandy, que assolou boa parte do Caribe e da Costa Leste norte-americana, o tufão Bopha, que atingiu as Filipinas em 2012 matando mais de mil pessoas, e as enchentes da temporada de monção no Paquistão em 2010, as piores já registradas no país.

Aqui na América do Sul o índice salienta a seca na Amazônia Ocidental em 2010, quando o Rio Negro atingiu um recorde de baixa.

“O ano de 2015 representa o limite, é quando precisamos estabelecer o novo acordo climático, e estruturas internacionais para lidar com desastres. Os países reunidos agora na Conferência do Clima de Varsóvia (COP 19) precisam ter isso em mente”, concluiu Kreft.

Deixe um comentário simpático neste artigo: