Mineira não mente, só conta lorota… e ama diferente

Bonecas de Tiradentes

MULHER MINEIRA

A Cachaça da Happy Hour (em 03/09/2009)

Por Domingos Leoni Barbalaco *

Mineira não mente, conta lorota. Não paquera, espia. Não fica bonita, já nasce formosa.

Mineira não usa perfume porque cheira gostoso demais, .

Mineira não curte um som, ouve música. Não fala, proseia.

Mineira não come strogonoff, mas adora um picadinho.

Não faz crediário, compra fiado.

Não fica pelada, mostra as vergonhas. Não erra, comete engano.

Não liga pra ninguém, mas telefona pra todo mundo.

Mineira ama diferente…

Flerta de longe, promete com o olhar e cumpre tudo o que nos fez sonhar. Ela sabe que amor não é pra discursar, é pra fazer. Ama com os olhos, com as mãos, com o sorriso, com os gestos.

Conheci muitos tipos de brasileiras.

Faceiras, trigueiras, formosas, poderosas. Turbinadas, loiras, morenas, mulatas, bonitas.

Mas lhes falta essa brejeirice das mineiras, essa paciência de tecer sem pressa uma teia de aconchegos e mimos, de lembranças e sorrisos, que nós das Geraes tanto apreciamos.

Existem coisas que já nascem com a mulher e muitas destas coisas estão diretamente ligadas ao lugar.

Mineira faz doce como ninguém neste país – nos dois sentidos.

Quem já provou doce de cidra ou de leite feito por mineira, sabe o que é bom. Goiabada e marmelada, então, nem se fala.

Mineira ensina mais, porque o que há de importante, ela já nasceu sabendo.

Mineiras se embelezam com bijuterias e ofuscam o brilho de jóias raras.

Vestem-se de chita e ficam bonitas, porque mineira não segue moda: faz a moda – e a melhor do país, diga-se de passagem.

Mineira não usa tênis, enfeita as alpercatas.

Mineira vai à igreja, assiste missa, comunga. Mas sabe que são misteriosos os caminhos que levam às graças de Deus.

Escondida por trás da simplicidade de toda mineira está uma guerreira…

Escondida atrás de toda simplicidade e graça está uma das mais belas brasileiras!

* Domingos Leoni Barbalaco é jornalista e escritor mineiro de Passos.

* * *

Blog da Nívia de Oliveira Castro

Deixe um comentário interessante neste artigo: