Marcelo Tas, Danilo Gentili e Rafinha Bastos: humor fascista na TV

CQC da Band

ÓDIO CONTRA AS MULHERES… AQUI E AGORA

O Chefe de Redação

O CQC, da Band, na trilha da baixaria inaugurada pela extinta turma do Casseta & Planeta, da Globo, é a atual cara do “humor” televisivo e misógino no Brasil.

Marcelo Tas foi quem decidiu levar ao ar o duplo ataque racista e homofóbico do deputado extremista Jair Bolsonaro contra Preta Gil. Danilo Gentili comparou a idosa Hebe Camargo a uma múmia, no dia da volta da apresentadora à TV após a luta contra um câncer. Rafinha Bastos faz graça com a violência sexual e defende premiação aos estupradores de mulheres consideradas “feias” por ele.

Hábeis manipuladores das novas mídias, suas perigosas ideias fascistas são disseminadas por hordas de jovens descerebrados com o suporte de ferramentas de enorme penetração, como blogs, redes sociais e Twitter.

Num país que já nos deu José Vasconcelos e Chico Anysio, a realidade atual é triste mas reveladora. Humoristas como Costinha e Ari Toledo, outrora considerados “imorais”, agora parecem vestais dos bons costumes se comparados à obscena geração de bestas-feras hightech.

O que nos leva à reflexão de um comentarista, O Escritor, no blog do Luis Nassif:

O antigo humorista transmitia a mensagem: ”Esse universo é um caos e nós estamos juntos nesta grande m…”. O novo humorista diz: ”Eu sou o juiz do Universo e você é um grande m…”

O antigo humorista era movido por uma implicância simpática. O novo humorista é movido pela agressividade corrosiva.

O antigo humorista não se ”achava”: ironizava-se, ele mesmo, em ditos, anedotas e situações estimuladoras do riso amigo. O novo humorista se ”acha”: degrada o Outro em ditos, anedotas e situações estimuladoras da perversidade cúmplice.

O antigo humorista tirava sua comicidade da compreensão das esquisitices humanas. O novo humorista tira sua comicidade do constrangimento do seu semelhante.

O antigo humorista era um artista, um mestre da representação dos mais variados tipos humanos, dono de versatilidade vocal admirável. O novo humorista assume uma cara (malfeita) de idiota, faz um voz (supostamente) de idiota, e basta.

O antigo humorista era um criador: legou-nos tipos humanos inesquecíveis. O novo humorista… bem, ele é o seu tipo – e nada mais.

O antigo humorista tornava famosos seus tipos. O novo humorista quer a fama somente para si mesmo.

O antigo humorista popularizou situações, histórias e números. O novo humorista só torna popular o seu programa.

O antigo humorista era um pensador: oferecia uma visão original da sociedade e do comportamento humano. O novo humorista é um reprodutor: aproveita clichês de ocasião e é incapaz de oferecer uma perspectiva realmente nova à sua época.

O antigo humorista fazia rir da nossa ilusória impressão de importância. O novo humorista É a ilusão de importância.

O antigo humorista desmoralizava a arrogância e a presunção humanas. O novo humorista personifica esses defeitos.

O antigo humorista revelava a nossa Sombra (o lado mau do indivíduo). O novo humorista incentiva a expressão dessa mesma Sombra.

O antigo humorista revelava o nosso lado secreto: as motivações e interesses que preferimos ocultar, nossas precariedades. O novo humorista nos faz atribuir esse lado oculto somente ao Outro.

O antigo humorista nos fazia pensar, intrigados. O novo humorista nos faz sentir confortados.

O antigo humorista, criticado, reagia com seu natural bom humor. O novo humorista, criticado, mostra que seu humor ruim é somente uma expressão natural do seu mau humor.

O antigo humorista escrevia livros. O novo humorista mal consegue escrever um tweet.

* Saiba que o ódio do homem pela mulher pode ser doença. Leia aqui.

* * *

O Chefe de Redação

4 comentários em “Marcelo Tas, Danilo Gentili e Rafinha Bastos: humor fascista na TV

  • 20 de fevereiro de 2013 em 22:45
    Permalink

    Concordo. Eles se acham os mais espertos do mundo e são agressivos e intolerantes com os erros alheios. Se isso não é bullying, não sei o que é. O Danilo Gentili, por exemplo, é um dos que mais faz bullying e depois, pra ser camarada, chama um professor pra falar que o programa dele não tem nada de errado. Ora, o professor convidado a estar em rede nacional, professor este que tem uma notoriedade acadêmica que explodirá após sua aparição nacional… ele JAMAIS falaria mal de Danilo Gentili… É um grande jogo de descobrir os pontos fracos das pessoas e usar isso de forma feroz… mas sabe que eles se comportam de forma mais respeitosa com grandes artistas, como ivete sangalo e claudia leitte. Incrivelmente, elas não costumam ser alvo de piadinhas. Afinal, elas também influenciam a massa tanto (ou mais) que os atuais humoristas. Não gosto deste humor que não é educado… eles se acham no direito de serem deselegantes ao alegar que estão sendo verdadeiros.. ora, ser educado agora virou sinônimo de ser falso!! Eles se acham superiores e levantam a bandeira ‘sou verdadeiro, falo e pronto, não tenho medo’. Resultado: muitos inimigos acumulados. E muito poder também. Eles estão num terreno perigoso, pois NÃO É POSSÍVEL que eles reinem desta forma… movimentos a favor de um humor de qualidade precisam aparecer. Mais: movimentos para a construção de valores sociais com base em educação e respeito… sem ironias e bullying…

    Resposta
  • 4 de novembro de 2011 em 11:35
    Permalink

    Foi incrível ver eles torcendo no mundial da Africa do Sul por países européus, uma vez que o Brasil ficou fora, desejando que os paraguaios, argentinos e uruguaios perdessem, em vez de torcer por um país latinoamericano.
    Também foi muito feio escutar o “skinhead” Rafinha, dizendo -e não de um jeito humorístico, precisamente – que o Uruguai era uma “terrinha” (acompanhado de um gesto muito despreciativo) que os brasileiros tinham dado “de presente”, “de graça” aos uruguaios… isso não é um pouco de nacional-fascismo, num contexto lationamericano em que deveríamos apostar pela integração??

    Resposta
  • 12 de maio de 2011 em 20:03
    Permalink

    Pô, até que enfim apareceu gente com peito para questionar esses fascistoides retardados mentais. Na net parece que todo mundo se borra de medo desses caras. Temos que reagir contra o predomínio da imbecilidade na televisão. Pela lei ela não era para ser um serviço de utilidade pública? Então, meu… De todo jeito, tamos juntos nessa. Abraço, Mike

    Resposta
    • 12 de maio de 2011 em 21:50
      Permalink

      É simplesmente nojento o que eles fazem com as mulheres. Claro está que não são chegados. Hitler tb não era, parece que essa é uma caracteristica comum a eles.

      Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: