Má-fé política nas críticas ao livro que ‘ensina português errado’

Campanha da mídia contra livro didático

ANALISAR E OPINAR. SEM LER

A velha mídia e seus papagaios de repetição bateram duro em um livro com base na leitura de apenas uma das páginas de um dos capítulos. Mais que um vexame, um papelão! O texto que se segue é de Sírio Possenti, professor do Departamento de Linguística / Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp, um dos mais respeitados estudiosos da Língua Portuguesa também na Internet.

O Chefe de Redação *

Cesse tudo o que a musa antiga canta / que outro valor mais alto se alevanta (…) dai-me uma fúria grande e sonorosa / e não de agreste avena ou frauta ruda / mas de tuba canora e belicosa (os lusíadas, canto i)

O jornalismo nativo teve uma semana infeliz. Ilustres colunistas e afamados comentaristas bateram duro em um livro, com base na leitura de uma das páginas de um dos capítulos. Houve casos em que nem entrevistado nem entrevistador conheciam o teor da página, mas apenas uma nota que estava circulando (meninos, eu ouvi).

Nem por isso se abstiveram de “analisar”. Só um exemplo, um conselho e uma advertência foram considerados. E dos retalhos se fez uma leitura enviesada. Se fossem submetidos ao PISA, a classificação do país seria pior do que a que tem sido.

Disseram que o MEC distribuiu um livro que ensina a falar errado; que defende o erro; que alimenta o preconceito contra os que falam certo. Mas o que diz o capítulo?

a) que há diferenças entre língua falada e escrita. É só um fato óbvio. Quem não acredita pode ouvir os próprios críticos do livro em suas intervenções, que estão nos sites (não é uma crítica: eles abonaram a constatação do livro);

b) que cada variedade da língua segue regras diferentes das de outra variedade. O que também é óbvio. Qualquer um pode perceber que os livro, as casa, as garrafa seguem uma regra, um padrão. São regulares: plural marcado só no primeiro elemento. Consta-se ouvindo ou olhando, como se constata que tucanos têm bico desproporcional. Ninguém diz que está errado; todos os tucanos têm bico igual, é seu bico regular, seu bico “certo”;

c) que há diferenças entre língua falada e escrita, que não se restringem à gramática, mas atingem a organização do texto (um teste é gravar sua fala, e transcrever; quem pensa que fala como escreve leva sustos);

d) que na fala e na escrita há níveis diferentes: não se escreve nem se fala da mesma maneira com amigos e com autoridades (William Bonner acaba de dizer “vamo lá sortiá a próxima cidade”. Houve outros casos notáveis nos estúdios: “onde fica as leis da concordância?” e “a língua é onde nos une”…);

e) deve-se aprender as formas cultas da língua: todo o capítulo insiste na tese (é bem conservador!) e todos os exercícios pedem a conversão de formas faladas ou informais em formas escritas e formais.

O que mais se pode querer de um livro didático? Então, por que a celeuma? Tentarei compreender. Foram três as passagens do texto que causaram a reação. O restante não foi comentado.

Uma questão refere-se ao conceito de regra: quem acha que gramática quer dizer gramática normativa toma o conceito de regra como lei e o de lei como ordem: deve-se falar / escrever assim ou assado; as outras formas são erradas.

Mas o conceito de regra / lei, nas ciências (em lingüística, no caso), tem outro sentido: refere-se à regularidade (matéria atrai matéria, verbos novos são da primeira conjugação etc.). Os livro segue uma regra. E uma gramática é conjunto de regras, também descritivas.

Outro problema foi responder “pode” à pergunta se se pode dizer os livro. “Pode” significa possibilidade (pode chover), mas também autorização (pode comer buchada). No livro, “pode” está entre possibilidade e autorização. Foi esta a interpretação que gerou as reações. Além disso, comentaristas leram “pode” como “deve”. E disseram que o livro ensina errado, que o errado agora é certo (a tese ganhou até a defesa de José Sarney!).

A terceira passagem atacada foi a advertência de que quem diz os livro pode ser vítima de preconceito. Achou-se que não há preconceito linguístico. Mas a celeuma mostra que há, e está vivíssimo. Uma prova foi a associação da variedade popular ao risco do fim da comunicação. Li que o português “correto” é efeito da evolução (pobre Darwin!). Ouvi que a escrita (!) separa os homens dos animais!

Esse discurso quer dizer que “eles” não pensam direito. O curioso é que os comentaristas são todos letrados, falam várias línguas. Mas não se dão conta de que um inglês diz THE BOOKS, e que a falta de um plural não constitui problema; que um francês diz LE LIVR(e), para les livres, e que a falta dos “ss” não impede a veiculação do sentido “mais de um”.

Mas pior que a negação do preconceito foi a leitura segundo a qual o livro estimula o preconceito contra os que falam “certo”, discurso digno de Bolsonaro, embora em outro domínio: foi o nobre deputado que entendeu a defesa dos homossexuais como um ataque aos heterossexuais. Um gênio da hermenêutica!

Mas há um problema ainda mais grave do que todos esses. De fato, ele é sua origem. Eles não defendem a gramática. Nossos “intelectuais” não conhecem gramáticas. Nunca as leram inteiras, incluindo as notas e citações, e considerando as discordâncias entre elas (acham que as adjetivas explicativas “vêm” entre vírgulas!).

Eles conhecem manuais do tipo “não erre” (da redação etc.), que são úteis (tenho vários, para usar, mas também para rir um pouco) como ferramentas de trabalho em certos ambientes, em especial para defensores da norma culta que não a dominam.

Mas o suprassumo foi a insinuação de que o livro seria a defesa da fala “errada” de Lula. Ora, este tipo de estudo se faz há pelo menos 250 anos, desde as gramáticas históricas.

Alguns acharam que estas posições são de esquerda. Não são! Os “esquerdistas” detestam os estudos variacionistas. Consideram-nos funcionalistas, vale dizer, burgueses. Por que defendê-los, então? Porque permitem que os estudos de língua cheguem pelo menos à época baconiana (Bacon é o nome do autor do Novum Organon, um cara do século XVI. Não é toucinho defumado).

* Sugiro a leitura, no blog do Luis Nassif, do post Os cientistas e a tapioca do livro didático, uma coletânea de análises sobre as asneiras que vêm sendo publicadas pela velha mídia e, pior, repetidas acriticamente por gente ou muito tapada, ou muito reacionária ou muito mal-intencionada ou, o que é mais provável, tudo isso junto. A ilustração acima é um remix de desenho de Márcio Paes.

Deixe um comentário interessante neste artigo: