Homenagem póstuma aos ‘formadores de opinião’ da velha mídia

Internet x TV
Esta é uma análise mordaz sobre o ocaso da ditadura do pensamento único dos grandes meios de comunicação.

A data – Dia de Finados – é propícia para uma reflexão sobre um novo tempo de liberdade que nasce com a passagem de um trator chamado Internet.

Sem querer tripudiar, podemos dizer que os velhos e ultrapassados “formadores de opinião publicada” já estão praticamente mortos… só se esqueceram de deitar.

GENEROSIDADE NO DIA DE FINADOS

Por Jeferson Melo, Jornalista

“E aí vocês vão compreender porque a figura do chamado formador de opinião pública, que antes decidia as coisas nesse país, já não decide mais”. A aguda simplicidade da frase do Presidente Lula, dirigida aos jornalistas que cobriam um evento em São Paulo, guarda uma verdade complexa e diz respeito à série de mudanças que atingem e redefinem, numa velocidade espantosa, o modo como se opera a comunicação social nesse início de século.

A constatação que os ditos formadores de opinião perderam importância mexeu com os brios da “mídia” brasileira, principalmente por expor um fato amplamente comprovado. Os “formadores de opinião” alcançaram alguma importância no início da década de 90, mas hoje, quase 20 anos depois, se tornaram irrelevantes. O próprio Presidente Lula e sua popularidade estratosférica são o melhor exemplo da verdade contida no enunciado.

Assim como estabilizou sua aprovação popular na casa dos 80%, o presidente alcançou a unanimidade entre os articulistas, editorialistas, colunistas, comentaristas, pauteiros e até entre editores e repórteres da chamada grande imprensa. Quase todos, diariamente, se dedicam a atacar, distorcer e criticar negativamente todos os atos e ações do governo. E quando isso não é possível, a solução recorrente é a omissão dos fatos. E, mesmo assim, não se altera a percepção dos brasileiros.

A estratégia das empresas de comunicação brasileiras é adotada no momento em que o acesso à Internet se expande e se consolida no país. Nesse meio, um turbilhão de informações está disponível ao cidadão, que pode ter acesso à fonte primária da notícia, além de opiniões distintas e variadas sobre qualquer tema de interesse. Gratuitamente.

Os jornais, ao contrário, editorializaram a notícia e eliminaram a diversidade de opinião. Nos veículos brasileiros, independente de quem assina, o conteúdo pertence à mesma matriz ideológica. Uma ladainha monótona, com conclusão previamente conhecida. Não comporta análises, nem reflexões. É dispensável.

A última pesquisa Ibope-Nilsen mostra que 64,8 milhões de brasileiros já acessam a Internet. Concomitantemente, o país registra a maior mobilidade social de sua história, com mais de 30 milhões ingressando na classe média. Gente que passou a consumir bens e produtos, entre os quais, a informação. E não é informação de jornal, porque estes registram retrações históricas de vendas, chegam aos números de  tiragens de jornal de bairro. Também não é a informação veiculada nos velhos telejornais que perdem o monopólio da audiência.

A lenda em torno do poder dos formadores de opinião ganhou corpo na década de 90, quando ainda vigorava a chamada “teoria da pedra no lago”, que recorria à imagem para comprovar que uma opinião emitida por determinada pessoa ou veículo se difundia através de ondas concêntricas para atingir parcela significativa da população. Com os blogs, sites, portais, páginas de relacionamentos, grupos sociais pendurados na Internet, a água do lago perdeu a serenidade.

Receptores se transformaram em emissores. O lago é apedrejado diuturnamente. É uma babel onde o editorial, artigo ou reportagem da última edição faz tanta onda quanto a postagem de alguns blogueiros. Com a força que a crítica da mídia ganhou na Internet, opiniões ou notícias publicadas pelos veículos tradicionais alcançam alguma relevância quando são alvos da desconstrução por parte dos blogs dedicados ao tema. Esse processo, estimulado pela falta de compromisso com a verdade por parte de quem noticia, mina o maior patrimônio de um veículo de comunicação: a credibilidade.

A Internet produziu outro fenômeno, que é a difusão da informação de maneira colaborativa. Determinado assunto é debatido por diversas pessoas, que oferecem detalhes, novidades, opiniões e abordagens distintas sobre a questão em pauta. Tece-se uma rede ou uma corrente de opinião, cujos elos são mais fortes e perenes que marolinhas no lago. São recorrentes os exemplos em que os navegantes interferiram no rumo dos veículos ou no curso da história.

Casos como a farsa em torno dos atentados de Madri, em 2004, cuja versão que atribuía a autoria ao ETA para favorecer a eleição de Jose Maria Asnar foi desmentida. E também a coleção de pseudo-fatos gerados pela Folha de São Paulo, que incluem a tentativa de amenizar a ditadura militar no Brasil, classificando-a como “ditabranda”, neologismo do ditador Pinochet; o spam com a ficha fajuta da ministra Dilma Rousseff; ou o mexerico sobre “agilizar” processos na Receita Federal. Todos provocaram correntes de protestos e também de chacotas  tendo como alvo o próprio jornal.

Uma rápida observação na escalação do time dos formadores de opinião brasileiros endossa a observação do Presidente Lula. O grupo se reduz a figurinhas carentes de credibilidade e adestradas para repetir um discursinho ultrapassado.

Alguém, além dos senadores do DEM ou do PSDB, leva a Veja e seus colunistas a sério? Qual a importância das “análises” de Miriam Leitão ou de Lúcia Hippolito, inimigas da lógica e divorciadas da realidade? Arnaldo Jabor, macaqueando asneiras na tela da TV Globo influencia algo além do discurso do Agripino Maia para um plenário vazio? Ou o formador de opinião é o William Bonner, interpretando uma expressão indignada após exibir mais uma reportagem  com discurso do Presidente Lula? Dora Kramer e Eliane Catanhede, quando muito, incomodam suas manicures com seus discursos.

Engana-se quem pensa que o Presidente Lula jogou uma pá de cal no formador de opinião. Ao expor a irrelevância alcançada por essa turma, ele generosamente depositou flores em túmulos abandonados.

Fonte: Vi o Mundo, do Luiz Carlos Azenha

7 comentários em “Homenagem póstuma aos ‘formadores de opinião’ da velha mídia

  • 2 de novembro de 2009 em 20:50
    Permalink

    “O que se pode depreender das linhas escritas pelo tucano que queria ser corvo? FHC se especializou na arte do embarque em canoas onde o lugar do náufrago está antecipadamente destinado ao canoeiro de ocasião. Julgava estar redigindo um artigo que funcionaria como divisor de águas. Mas afundou junto com ele… Extremamente apropriado para leitura no dia 2 de novembro.” (Finados!!!)

    Esse fecho do Caroni é antológico, né não, Jota Severo? Obrigada pelas dicas de leitura. Ah, não é à toa que mantenho o link da excelente Carta Maior – e os daquela turma toda – ali em cima, na sidebar.

    Resposta
  • 2 de novembro de 2009 em 20:33
    Permalink

    Posso abusar mais um poquinho, Nivia? Agora foi o Gilson Caroni quem mandou a letra na Agencia CartaMaior:

    UM RÉQUIEM PARA FHC

    As palavras são as armas. E foi acreditando em sua capacidade de manejá-las com destreza que FHC tentou atacar o presidente Lula em seu artigo publicado no jornal O Globo, do último domingo.

    Em sua vaidade desmedida, imaginava-se escrevendo um manifesto histórico capaz de desvendar a cena política, retirando a oposição do estado letárgico em que se encontra. O efeito foi exatamente o contrário.

    O texto mal escrito, sem sentido em muitos parágrafos, revela um erro de cálculo político sem precedentes. Mas virou um fardo pesado para as possíveis candidaturas de José Serra e de Aécio Neves. (continua…)

    http://www.cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16223

    Resposta
  • 1 de novembro de 2009 em 12:28
    Permalink

    è isso aí Clovis
    VOTE NA DILMINHA, A SUA CANDIDATA E A MINHA!!!!!

    Resposta
  • 1 de novembro de 2009 em 11:55
    Permalink

    Abaixo o PIG! Dá-lhe Lula! É Dilma 2010!

    Resposta
  • 31 de outubro de 2009 em 20:14
    Permalink

    boa, nivia! isso mesmo, tem que mandar bala sempre nesse tipo de assunto para nao deixar a peteca cair. estamos juntos nessa luta pela liberdade de esprressao. devagarinho, ou nem tanto, tamos chegando la! sidney

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: