Homenagem ao cinquentenário da morte de Marilyn Monroe

Homenagem Marilyn Monroe

CINQUENTA ANOS SEM MARILYN MONROE

A Cachaça da Happy Hour

“Que encanto pode ser mais poderoso, mais sedutor, mais desarmante, que o duma celebridade festejada que desperta nossa compaixão?”

por Márcia Denser *

Aproveitando o título de um ciclo de seus filmes (Quanto Mais Quente Melhor, O Pecado Mora ao lado, Os Desajustados etc) em cartaz este mês no Telecine Cult, aproveito para fazer um tributo a Marilyn Monroe (1926-1962).

Ao lado de James Dean (este um pouco menos, porque morreu cedo demais) e Marlon Brando (e este ainda menos, porque entrou em decadência, isto é, viveu demais), constituiu o último triunvirato de mitos hollywoodianos produzidos no pós-segunda guerra.

Os três prenunciaram a revolução dos costumes que ocorreria a partir dos anos 60, pacote que incluía sexo livre, drogas e rock’n’roll .

Aliás, a morte de Marilyn, aos 36 anos, causada por uma overdose de barbitúricos, foi caracterizada, segundo a versão oficial, como “suicídio acidental”.

As circunstâncias da morte causaram polêmica na época, em virtude de seu relacionamento com os Kennedy (quem não se recorda do “Happy Birthday, Mr.President” cantado por ela, deliciosamente embriagada e em cadeia nacional?).

Cogitou-se até ter sido perpetrada pela própria CIA como “queima de arquivo”.

O fato é que Marilyn abalou a América puritana e fundamentalista, apesar da pungente vulgaridade com a qual a própria indústria cinematográfica a revestia, a partir dos cabelos platinados, do falso rebolado (dizem que ela cortava um dos saltos do sapato para simular o famoso andar), das roupas provocantes, dos escândalos de sua vida pessoal cultivados até à vertigem por todos os colunistas de cinema, a começar pelas lendárias Hedda Hopper e Louella Parsons.

Enfim, Marilyn era uma espécie de monstro sagrado cercado de factoides por todos os lados.

Aos aficionados recomendo (se é que ainda existe nas livrarias) sua biografia, Marilyn, escrita por Norman Mailer (Rio, Civilização Brasileira, 1970), um livro de capa dura onde estão encartadas suas fotos mais famosas – desde a do calendário onde pousou nua, “coberta apenas com a música do rádio”, segundo ela mesma, até às últimas clicadas por Richard Avedon, nas quais este consegue captar com extremo requinte sua beleza sutil, rarefeita, inapreensível, de beija-flor, algo que só poderia ser registrado pela câmera cinematográfica.

Mas isto não significa que, profissionalmente, ela não fosse dura de roer.

Quando perguntaram a Tony Curtis, seu parceiro em Quanto Mais Quente Melhor, qual era a sensação de beijar Marilyn Monroe, este desabafou: “Você já beijou Hitler?”. E estava sendo sincero. Porque ela sabia como ninguém “catimbar” os outros atores para roubar a cena: seus atrasos, os esquecimentos das falas, faziam com que as tomadas fossem obrigatoriamente repetidas zilhões de vezes, de forma que, à medida em que a interpretação de Marilyn melhorava, os demais iam a nocaute.

A propósito, Truman Capote escreveu dois contos – dois testemunhos magistrais sobre MM – publicados em Os Cães Ladram (Rio, Civilização Brasileira, 1977) e Música para Camaleões (Rio, Nova Fronteira, 1980). Naturalmente, estas são primeiras edições que, em geral, somente escritores conservam; não sei se foram reeditados, embora sejam obras fundamentais.

TC diz: “Monroe? Uma desleixada, na verdade, uma divindade relaxada – no sentido em que uma banana split ou um pudim de cerejas é esparramado mas divino. Os lábios lúbricos, a exuberância loira, as contorções rítmicas, os requebros caricaturais, supostamente deveriam torná-la universalmente reconhecível. No entanto, na vida real, a Monroe não é facilmente identificada. Ela anda pelas ruas de Nova York sem que ninguém a perturbe, acena para taxis que não param, toma suco de laranja à beira da calçada servida por um garçon que sequer desconfia ser a freguesa o objeto de suas mais alucinadas fantasias.” (Bem, é preciso não esquecer que se estava nos anos 50).

“Contudo, é preciso que nos digam que Marilyn é Marilyn, pois, vista de relance, não passa duma beldade de cabaré cuja carreira progride de cabelos oxigenados aos doze anos a um par de maridos confiscados aos vinte e termina aos trinta no fundo dum vidro de Seconal”. (Proféticas palavras…)

TC ainda observa: “Mas por fiel que seja ao tipo, ela não pertence a esse gênero, é frágil demais para isso. A personagem que representa, uma figura de cão sem dono pateticamente atrevida, é perfeita e tem um encanto convincente, pois sua imagem na tela e a impressão que ela passa são idênticas: ela é uma órfã, em espírito como de fato, marcada e iluminada pelo estigma da orfandade. Sem confiar em ninguém, ela se esforça como um trabalhador braçal para agradar a todos”.

A sua profunda ansiedade – quem se atrasa nunca menos de uma hora para um encontro é detido por incerteza e angústia, não por vaidade; e é angústia também, a tensão criada pela contínua necessidade de agradar, a responsável por suas dores de garganta, unhas roídas, palmas úmidas, e risadinhas histéricas – induz a uma pena terrível que o fascínio de seus trejeitos não disfarça: que encanto pode ser mais poderoso, mais sedutor, mais desarmante, que o duma celebridade festejada que desperta nossa compaixão?

A propósito, no título de um desses contos, Truman Capote a define como “uma criança linda”.

Inapreensível, inesquecível Marilyn Monroe.

Marilyn Monroe Nua

* Márcia Denser é jornalista, escritora, pesquisadora de literatura e Mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP

Deixe um comentário interessante neste artigo: