Há condições de vida em Ganimedes, a principal lua de Júpiter

ÁGUA E OXIGÊNIO SUSTENTAM A HIPÓTESE

Satélite de Júpiter

Ganimedes, o maior satélite de Júpiter e de todo o sistema solar, possui água e oxigênio e, portanto, condições para abrigar formas de vida, segundo suposição fundamentada por cientistas da NASA.

A lua é composta por rochas e gelo, formando um oceano gigante com centenas de quilômetros de profundidade. É o único satélite do sistema solar com sua própria magnetosfera e uma fina atmosfera.

Analisando o oceano do satélite, os astrobiólogos concluíram que ele é desigualmente congelado – as camadas de gelo se alternam com as camadas de água, que permanece no estado líquido devido à grande quantidade de sal.

Os cientistas acreditam que a água salgada pode descer até o fundo do oceano, entrando em contato com as formações rochosas, o que cria condições importantes para o desenvolvimento da vida orgânica.

O gigantesco satélite orbita Júpiter a 1,07 milhão de quilômetros de distância. Ganimedes (um dos amores do deus mitológico romano Júpiter) foi descoberta em 1610 pelo físico, matemático, astrônomo e filósofo italiano Galileu Galilei.

Camadas de gelo em lua de Júpiter

Com VOZ DA RÚSSIA – clique nas ilustrações da NASA para abrir grandes ampliações

Deixe um comentário interessante neste artigo: