Garota que fez leilão da virgindade pode ser deportada por prostituição

Catarina Migliorini Vendeu Virgindade

MÁFIA INTERNACIONAL DE TRÁFICO DE MULHERES

A Cachaça da Happy Hour

A venda da virgindade da brasileira Catarina Migliorini, por R$ 1,5 milhão, para um cidadão japonês, pela internet, será investigada pela Justiça brasileira. A garota poderá ter o visto do seu passaporte revogado “por exercício de prostituição”.

O subprocurador-Geral da República, João Pedro de Saboia Bandeira de Mello ainda sugeriu ao Ministério das Relações Exteriores que providencie o contato com as autoridades envolvidas na operação internacional que pode ser configurada como “tráfico de pessoas”.

Leia a seguir a íntegra do documento.

Catarina Migliorini - leilão da virgindade

Exmo. Sr. Ministro de Relações Exteriores

Excelência:

Tenho a honra de me dirigir a V. Exa., em face das constantes notícias que circulam na INTERNET de que a brasileira Catarina Migliorini foi aliciada por uma produtora de TV da Austrália para participar de um “reality show” leiloando sua suposta virgindade, já havendo, inclusive, comprador compromissado.

Embora não tenha examinado detidamente o assunto, em princípio me parece que se trata de crime de tráfico de pessoas, cuja repressão é prevista em tratados internacionais .

Assim, sugiro a V. Exa. que determine ao Exmo Sr Embaixador naquele país as providências junto às autoridades policiais e judiciárias cabíveis para interromper a execução de eventual crime, para o que, acredito, deveria ser solicitada a revogação do visto (por exercício de prostituição) e a deportação com urgência .

Desculpando-me por utilizar email e não ofício, face à urgência do assunto, apresento meus meus elevados protestos de consideração e apreço.

Atenciosamente

João Pedro de Saboia Bandeira de Mello Filho
Subprocurador-Geral da República

Com Correio do Brasil

Deixe um comentário interessante neste artigo: