Garoa Hacker Clube – laboratório de garagem para inovação em TI

Camiseta com logomarca

HACKERSPACES PERIFÉRICOS

Do blog ECOnsciência

No Garoa Hacker Club, de São Paulo, jovens talentosos desenvolvem projetos tecnológicos avançados e abertos, copiando e recombinando tecnologias. Imagine se as prefeituras Brasil afora tivessem programas de incentivo à tecnologia de garagem e à ciência de bairro. Quantos jovens competentes e empreendedores descobriríamos em nossas cidades? Quantos inventos inundariam nossa periferia?

OS LABORATÓRIOS TECNOLÓGICOS DE GARAGEM

por Sérgio Amadeu *

Estava na Casa de Cultura Digital, no tradicional bairro da Barra Funda, no centro de São Paulo. Passei pela sala central e ouvi um barulho característico de uma velha impressora matricial. Vinha do porão.

Claro, pensei, é o pessoal do Garoa Hacker Club. Desci e encontrei o Juca trabalhando uma impressora 3D. Ele estava produzindo chaveiros na impressora.

O Garoa Hacker Club é “um laboratório comunitário, aberto e colaborativo, que propicia a troca de conhecimento e experiências através de uma infraestrutura para que entusiastas de tecnologia realizem projetos em diversas áreas, como segurança, hardware, eletrônica, robótica, espaçomodelismo, software, biologia, música, artes plásticas, ou o que mais a criatividade permitir.” (veja tudo a respeito do hackerspace)

No Garoa, que funciona agora em dois porões da Casa de Cultura Digital, podemos encontrar jovens talentosos que desenvolvem projetos tecnológicos abertos.

O Juca é um cara genial que não terminou engenharia. A Poli não conseguia acompanhar sua escala de dúvidas e seu espírito inventor.

Assim, Juca e outros tantos resolveram criar um laboratório de garagem para trocar conhecimento e aprender fazendo, copiando e recombinando tecnologias.

Garoa Hacker ClubeO Garoa pode ser chamado de hackerspace, um espaço para hackers criarem e recriarem tecnologias, compartilharem soluções e aprenderem uns com os outros.

Apesar do estigma que a [velha] imprensa criou, a palavra hacker diz respeito a um amante dos desafios tecnológicos que compartilha com sua comunidade os resultados de suas pesquisas. Cracker são pessoas que invadem computadores e roubam senhas, muitas delas não sabem programar, não são hackers.

O que caracteriza um hacker é a paixão e o prazer pelo conhecimento. Um hackerspace é um laboratório que reune pessoas que são apaixonadas pela tecnologia, pela ciência e pelos desafios de programar e criar coisas interessantes.

A foto ao lado é de uma nova impressora 3D que está sendo construída por alguns integrantes do Garoa Hacker Club.

O Juca me contou que quando esteve em Viena visitando um dos hackerspaces da cidade, descobriu que o prédio era da Prefeitura e ocupava quase um quarteirão. Imagine se a Prefeitura de São Paulo tivesse um programa de incentivo à tecnologia de garagem e à ciência de bairro.

Quantos jovens talentosos descobriríamos em nossa cidade? Quantos inventos inundariam nossa periferia?

Por isso, queremos um poder público que se comporte de outro modo em relação a inovação e a cultura digital.

São Paulo tem recursos e inteligência coletiva para ser uma das cidades mais inventivas do planeta. Para isso, precisamos permitir que a criatividade flua e desmistificar o desenvolvimento da tecnologia.

São Paulo [e o Brasil] merece muitos hackerspaces, os laboratórios de garagem.

– – –

Sérgio Amadeu é professor e uma referência entre os pesquisadores brasileiros de redes digitais. Foi um dos idealizadores do projeto telecentros de São Paulo. Coordenou sua implantação em 2001, que começou pela cidade Tiradentes, na Zona Leste de São Paulo.

No Ponto de Cultura – Outras Palavras

Deixe um comentário simpático neste artigo: