Gaivotas e espécies de aves marinhas em risco de extinção

Alerta da BirdLife International

FECHA-SE O CERCO AOS PÁSSAROS NO MAR

Do blog ECOnsciência

Populações de gaivotas e albatrozes encontram-se agora perigosamente no limiar da extinção. Atividades humanas também estão por trás dessa ameaça. No mar, a pesca comercial tem degradado os estoques de peixes e causado a morte de aves marinhas através de inúmeras capturas acidentais. Por outro lado, em terra, a introdução de espécies invasoras de ratos, por exemplo, tem atacado ninhos com ovos e dizimado imensas colônias reprodutoras. Apesar disso, dá tempo de reverter o quadro.

AVES MARINHAS EM DECLÍNIO GLOBAL

por Fernanda B. Mûller *

O estado global das aves marinhas deteriorou-se rapidamente ao longo das últimas décadas, com várias espécies e muitas populações agora perigosamente no limiar da extinção, concluiu uma revisão exaustiva publicada esta semana na revista científica Bird Conservation International.

A revisão – com base em dados e avaliações feitas pela BirdLife International para a Lista Vermelha da IUCN – revela que as aves marinhas são hoje em dia o grupo de aves mais ameaçado do mundo.

Das 346 espécies de aves marinhas, 97 (28%) estão globalmente ameaçadas e outras 35 encontram-se muito perto de atingir o mesmo estatuto. Cerca de metade das espécies de aves marinhas apresentam um declínio populacional evidente, sendo a família dos albatrozes a que melhor evidencia estas tendências negativas, estando atualmente 17 das suas 22 espécies ameaçadas de extinção.

“As aves marinhas são um grupo diverso com distribuição mundial. Como predadores de topo, funcionam como um valioso indicador da saúde do meio marinho global, saúde essa que estará claramente em risco se as tendências não forem invertidas”, explica Ivan Ramirez, coordenador do Programa Marinho Europeu da BirdLife International.

As atividades humanas estão por trás desses declínios. No mar, a pesca comercial tem degradado os estoques de peixe e causado a morte de aves marinhas através de inúmeras capturas acidentais. Por outro lado, em terra, a introdução de espécies invasoras tem dizimado imensas colônias reprodutoras.

Podemos ainda ter tempo de inverter estes declínios e a publicação é clara sobre as ações que precisam ser tomadas. Os locais que são mais utilizados pelas aves, tanto as colônias de reprodução em terra, quanto as áreas de alimentação em alto mar, devem ser protegidos.

A BirdLife já identificou várias Áreas Importantes para Aves (IBAs) marinhas em terra e está prestes a publicar o primeiro inventário de IBAs marinhas oceânicas. Espera-se que esta ferramenta possa ajudar a desenvolver uma rede global de áreas marinhas protegidas e auxiliar a implementação de novas abordagens para a gestão e proteção dos sistemas marinhos.

As espécies invasoras, especialmente de roedores introduzidos, devem ser removidos das colônias mais importantes, das quais depende a sobrevivência das aves marinhas.

Já foram desenvolvidos vários trabalhos de restauração bem sucedidos e a BirdLife está atualmente colaborando com diversas entidades com o intuito de compilar uma lista de locais prioritários para futuras operações de erradicação.

Portugal é uma referência como reverter esta situação. Um dos exemplos é o pássaro freira-da-madeira, que se reproduz unicamente na Ilha da Madeira, onde trabalhos de recuperação do habitat e controle de espécies invasoras preveniram que esta espécie se extinguisse.

Há também necessidade de prosseguir com a investigação para preencher as lacunas de conhecimento existentes, de forma a prevenir outras fontes de ameaças emergentes, tais como a aquicultura, as operações de geração de energia e as alterações climáticas.

* No Instituto Carbono Brasil – Leia também o comunicado da SPEA (arquivo em pdf)

Deixe um comentário interessante neste artigo: