Akkorokamui: adorado e temido polvo gigante do folclore japonês

Fundição de metais em Petrópolis - RJ

MONSTRO COM UNS 100 METROS DE COMPRIMENTO

Akkorokamui é uma criatura criptozoológica em forma de polvo gigante que pertence ao folclore da antiga etnia aino. Segundo a crença, habita a Baía de Funka, na ilha de Hokkaido, extremo norte do Japão.

O corpo do mitológico cefalópode – reverenciado e temido como deidade aquática – é descrito como vermelho escarlate, a cor do reflexo do Sol sobre a água, podendo atingir 100 metros de comprimento.

A criatura é tão gigantesca que, de acordo com a lenda, o mar e até mesmo o céu ficam tingidos de vermelho quando Akkorokamui surge das profundezas do oceano, aterrorizando marinheiros e pescadores.

Fábrica de bijuterias em Petrópolis - RJ

A história foi passada por gerações ao longo dos séculos e os moradores mais velhos ainda evitam se aproximar da orla ao amanhecer e entardecer, quando o céu normalmente adquire tonalidades rubras.

Muitos pescadores carregavam longas armas em seus barcos, como lanças e foices, para se proteger da criatura que foi incorporada aos rituais do xintoísmo como um verdadeiro kami (divindade).

Muitas vezes apresentado como benevolente com poderes para curar e transmitir conhecimento, mas com um temperamento imprevisível, Akkorokamui é cultuado em diversos santuários em Hokkaido.

Fundição de metais em Petrópolis - RJ

Os pingentes de polvos com aspecto super realista que ilustram a curiosa tradição cultural japonesa são uma criação do designer de joias, escultor, pintor e tatuador norte-americano Matthew Amey.

Os dois modelos foram esculpidos em prata esterlina, com acabamento prateado e oxidado de negro, medindo 5 cm de comprimento. O preço é salgado: o equivalente a R$ 2 mil para trazer lá de fora.

Caso fossem fundidas aqui no Brasil em pewter – liga nobre de estanho parecida, mas que não escurece como a prata – cada joia custaria 50 reais. No momento, pensamos em incluir em nossas coleções.

Fábrica de bijuterias em Petrópolis - RJ

Clique nas imagens para ampliar e nos links destacados no texto para ver e saber mais.

Deixe um comentário simpático neste artigo: