Fim do Mundo já aconteceu: foi nos anos 90, a ‘década perdida’

O BESTEIROL DO APOCALIPSE

Do blog BananaPost

Quem surfou agora a onda clichê do Calendário Maia talvez não conheça a música que escancarou as portas do sucesso para o carioca Eduardo Dusek, quando ele arrebentou com seu besteirol no festival MPB 80, da TV Globo (só podia).

De lá para cá, o apocalipse já era para ter acontecido várias vezes, embora para muitos “fim do mundo” mesmo tenha sido o governo do tucano FHC, nos anos 90, tanto que o período neoliberal entrou para a história como a “década perdida”.

Hoje, pela inspiração divina que iluminou a cabeça dos eleitores brasileiros, não há muito o que temer. A não ser que se deixem influenciar pela campanha catastrofista orquestrada pela velha mídia. Aí, até Nostradamus vai parecer fichinha.

Fim do Mundo

NOSTRADAMUS

Autoria e interpretação: Eduardo Dusek

Naquela manhã
Eu acordei tarde, de bode
Com tudo que sei
Acendi uma vela
Abri a janela
E pasmei

Alguns edifícios explodiam
Pessoas corriam
Eu disse bom dia
E ignorei

Telefonei
Pr’um toque tenha qualquer
E não tinha
Ninguém respondeu
Eu disse: “Deus, Nostradamus
Forças do bem e da maldade
Vudu, calamidade, juízo final
Então és tu?”

De repente na minha frente
A esquadria de alumínio caiu
Junto com vidro fumê
O que fazer? Tudo ruiu
Começou tudo a carcomer
Gritei, ninguém ouviu
E olha que eu ainda fiz psiu!

O dia ficou noite
O sol foi pro além
Eu preciso de alguém
Vou até a cozinha
Encontro Carlota, a cozinheira, morta
Diante do meu pé, Zé
Eu falei, eu gritei, eu implorei:
“Levanta e serve um café
Que o mundo acabou!”

* * *

Blog BananaPost - o porta-voz da macacada


Deixe um comentário simpático neste artigo: