Fim da expulsão no futebol é proposto por vereador de Juiz de Fora

Vereador mineiro contra expulsões no futebol

COMÉDIA COM CARTÃO VERMELHO

Do blog BananaPost

Vontade de aparecer, falta do que fazer ou senilidade mesmo. Algum desses motivos levou um folclórico vereador do obscuro PTC da cidade mineira de Juiz de Fora — também conhecida como Bandeirinha — a ter a estapafúrdia ideia de propor à Fifa o fim da expulsão de jogadores durante os jogos de futebol.

José Tarcísio Furtado, de 71 anos de idade, recebe R$ 10.260,95 mensais para cismar de defender a mudança nas regras de aplicação do cartão vermelho, motivado por uma “preocupação” com o direito do consumidor que paga ingresso para ver 22 atletas em campo e não um número menor do que este.

Como todo mundo está careca de saber, um jogador pode ser expulso da partida ao receber dois cartões amarelos (faltas leves) ou um cartão vermelho (falta grave).

Segundo Furtado, que propôs a audiência pública realizada anteontem na Câmara Municipal de Juiz de Fora para discutir o assunto, o torcedor paga ingresso para assistir no estádio a uma “partida completa”.

“Muitas vezes o árbitro é injusto. O jogo começa com 22 jogadores [11 em cada time] e acaba com 19. Uma falta grave tudo bem, o jogador deve ser expulso, mas um segundo cartão amarelo bobo deveria fazer o jogador ser substituído”, alegou.

Torcedor do Tupi, time juiz-forano que disputa a Série D do Campeonato Brasileiro, Furtado admitiu que sua proposta, “na verdade”, tenta acabar com um suposto favorecimento de times maiores por parte da arbitragem de Minas Gerais.

“Os árbitros sempre arranjam um jeito de favorecer o Cruzeiro ou o Atlético-MG contra o Tupi. Toda partida inventam de expulsar um jogador. Fica difícil”, disse.

Questionado se a discussão faz parte da sua atribuição como vereador, ele disse que representa “o povo” e atendeu uma reivindicação de um torcedor.

Furtado promete apresentar em breve uma proposta formal à CBF (Confederação Brasileira de Futebol) e à International Football Association Board, braço da Fifa que analisa as regras do futebol.

Para o presidente da comissão de arbitragem da Federação Mineira de Futebol, José Eugênio, a proposta de mudanças das regras de expulsão “não faz sentido”.

“Os times têm que pagar pela atitude de seus jogadores. Se eles forem expulsos e puderem ser substituídos, fica tudo na mesma”, disse.

Origem

* * *

Blog BananaPost - o porta-voz da macacada


Deixe um comentário simpático neste artigo: