Falta pouco para o Google começar a ler seus pensamentos

Controle mental pelo Google

OS SIMPSONS TUPINIQUINS

A Cachaça da Happy Hour

O sonho platinado de William Bonner, à frente do Jornal Nacional, é transformar os telespectadores brasileiros em replicantes do Homer Simpson, síntese do cidadão médio norte-americano.

Assim fica mais fácil manipular pessoas preguiçosas e de raciocínio lento, incutindo em doses diárias nas suas mentes as teses conservadoras daqueles que lhe garantem o salário pornográfico.

Se com a Globo local acontece descaradamente assim, imagina só os esquemas tramados por empresas de amplitude planetária com o porte de um Google, por exemplo.

Exagero? Então acompanhe a seguinte suposição, coisa bem trivial: chega a hora do almoço e você está fora de casa, precisando de um restaurante.

Para não andar à toa, saca seu smartphone para fazer uma busca de estabelecimentos próximos e, para a sua surpresa, o Google já trouxe todos os resultados antes mesmo que você pensasse em acessá-lo.

E aí, o que você acha disso: feitiçaria, dominação mundial ou simplesmente tecnologia?

Pode parecer algo bem absurdo, mas o maior buscador do planeta está realmente trabalhando em um método de apresentar respostas para perguntas ainda não feitas.

Porém como isso está sendo feito?

Resultados de buscas pelo pensamento

O desenvolvimento dessa tecnologia ainda está em sua etapa inicial, tanto que a empresa reuniu um grupo de voluntários para testar algumas dessas ferramentas.

A meta é pesquisar comportamentos e possíveis formas de antecipá-los com a ajuda da tecnologia para facilitar a vida do usuário.

Ao mesmo tempo em que a ideia parece ser incrivelmente assustadora, ela também se mostra extremamente útil — na visão dos caras por trás do projeto.

De acordo com o chefe da equipe responsável por esses estudos, Jon Wiley, a proposta é identificar as “necessidades escondidas” de cada pessoa a partir daquilo que ela faz tanto no ambiente online quanto fora dele.

E assim, otimizar não somente o resultado das buscas, mas também o momento em que isso vai ser apresentado e sem que o indivíduo tenha de perder tempo digitando.

MONITORAMENTO TOTAL

É claro que tal conveniência não viria sem um preço. Para que essas tais necessidades sejam identificadas e mapeadas, é preciso que a Google colete muitas informações sobre você — e aí é que está o principal problema da novidade.

Segundo Wiley, não é preciso muita coisa para traçar esse pequeno perfil, já que basta um único dispositivo móvel para mapear algumas tendências.

Controle de mentes pelo Google

No caso de um smartphone, o próprio GPS e os demais sensores pré-instalados servem para a coleta de dados.

No exemplo citado, o serviço de geolocalização não vai apenas mostrar o bairro onde você está, mas catalogar todos os restaurantes que você visitou nos últimos meses para saber que tipo de comida você gosta

Ele, então, fará sugestões relevantes para você. O problema é que, para isso, você precisa ser constantemente monitorado — o que é assustador.

Conforme a empresa explica, a base desse novo sistema é cruzar as informações pessoais coletadas a partir de alguns serviços — seja em sites do próprio Google ou naqueles que se aproveitam de algum tipo de ligação com eles — com conteúdo hiperlocal.

Esses dados são comparados com o contexto regional em busca de tendências, ou seja, aquilo que outras pessoas com um perfil semelhante ao seu podem estar procurando.

Com isso, o Google pretende fazer com que esse novo sistema ajude as pessoas a encontrarem aquilo que nem elas pensaram em pesquisar.

Para eles isso pode ser muito promissor e interessante, principalmente para resolver pequenas questões do cotidiano que achamos que não valem o esforço de correr para o computador ou sacar o celular.

Por outro lado, também abre margem para uma quantidade absurda de publicidade seja enviada diretamente para o usuário, indiscriminadamente.

Invasão do cérebro pelo Google

O QUE ESPERAR?

Além das buscas contextuais que aparecerão em nossos aparelhos antes mesmos de solicitarmos tal ação, as pesquisas desenvolvidas podem ajudar outros produtos da empresa.

Um deles é o Google Glass, os óculos futuristas apresentados pela companhia neste ano.

O equipamento se aproveitará exatamente dessa praticidade para criar uma experiência autônoma em que o indivíduo não precisa mais das mãos para realizar suas pesquisas e encontrar o que deseja.

Pode parecer algo bem absurdo, mas é algo que, aos poucos, vem tomando forma.

Por mais que os estudos e testes ainda estejam engatinhando, os primeiros passos realmente práticos já começaram a ser dados, principalmente com o Google Now.

O serviço de informações traz vários conteúdos úteis ao usuário — como previsão do tempo no local, horários de voos próximos e situação do trânsito na região — sem que ele precise pedir por isso.

Enfim, eles podem alegar o que quiserem para disfarçar o objetivo a ser alcançado mais lá na frente. Que será o controle total das mentes humanas.

Ou será que ainda existe gente inocente que acredita em Papai Noel… ou no Jornal Nacional?

Com informações do TecMundo

Deixe um comentário interessante neste artigo: