“eu que já fui cavalo e cavaleiro” – a poesia de Romério Rômulo

A poesia de Romério Rômulo - eu que já fui cavalo e cavaleiro

Do Blog A Cachaça da Happy Hour

eu que já fui cavalo e cavaleiro

eu que já fui cavalo e cavaleiro
rangi os trapos num cerrado chucro,
pavoneei às feras meus intentos,
sofri imensidões como se gotas.

cavalo e cavaleiro que já fui
por anos repisados de novilhos
brandi os versos como fossem trilhos
de intensa solidão. agora rui

o meu intento de quixote e sancho
ter uma dulce, marília, o que me leva
a ser cavalo, cavaleiro e treva
pelos adros das ilhas que não sei.

eu que já fui cavalo e cavaleiro
de tronos abissais em que entorpeço
arranco os estilhaços de um berreiro
e me destravo, nu, no meu avesso.

cavalo e cavaleiro fui.
cavalo, cavaleiro e rei.

romério rômulo

* * *

Blog da Nívia de Oliveira Castro

 

5 comentários em ““eu que já fui cavalo e cavaleiro” – a poesia de Romério Rômulo

  • 15 de setembro de 2010 em 07:52
    Permalink

    Gostei da poesia e da imagem tb. Como conseguiu?

    Resposta
    • 15 de setembro de 2010 em 09:13
      Permalink

      A poesia peguei por empréstimo no blog do grande Romério Rômulo, poeta mineiro e presença respeitada na blogosfera independente.

      http://romerioromulo.wordpress.com/

      A ilustração capturei em algum site de compartilhamento de imagens, desses que há aos montes na rede, não me lembro qual.

      Resposta
  • 4 de setembro de 2010 em 23:41
    Permalink

    Admito que poesia não é a minha pradaria,
    mas o chapéu para esse guasca eu tiraria.

    Resposta
  • 4 de setembro de 2010 em 11:22
    Permalink

    Que poeta é esse, gente? Prazer em conhecê-lo.

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: