Estátua milenar de ‘Buda celestial’ foi esculpida em um meteorito

Meteorito com deus Vaisravana

DO CÉU PARA A TERRA

Essa é para deixar até o ator Harrison Ford arrepiado: uma antiga estátua budista tem tudo para integrar o roteiro de algum filme no melhor estilo Indiana Jones.

Ela já era valiosa por ter mais de 1000 anos de idade, além de possuir em seu currículo o fato de ter sido retirada de seu sítio original por uma expedição nazista, em 1938, por ostentar na altura do plexo solar a mística cruz suástica que os alemães inverteram para criar seu símbolo ideológico.

Agora, Elmar Buchner e seus colegas da Universidade de Stuttgart, na Alemanha, fizeram uma descoberta que dará um novo sentido ao valor espiritual da estátua.

Pesando cerca de 10 quilos, o artefato foi esculpido não de uma rocha qualquer, mas de um meteorito.

E não de um meteorito qualquer, mas de um siderito, uma classe muito rara de meteoritos de ferro.

ESTÁTUAS DE METEORITOS

A escultura representa o deus Vaisravana, também conhecido como Jambhala no Tibete, o rei budista do norte, um dos quatro reis celestiais da mitologia budista.

Não se sabe onde a estátua foi encontrada. Ela faz parte de uma coleção particular, e só se tornou disponível para estudos em 2009.

“A estátua foi cinzelada em um meteorito de ferro, de um fragmento do meteorito Chinga, que caiu na fronteira entre a Mongólia e a Sibéria cerca de 15.000 anos atrás,” disse o Dr. Buchner.

Apesar de interessante, e aumentar o valor histórico da imagem, o fato não é inédito.

Os meteoritos já foram usados por muitas culturas ancestrais, incluindo os Inuítes, da Groenlândia, e os aborígenes da Austrália.

Acredita-se que também a chamada Pedra Negra, em Meca, na Arábia Saudita, seja um meteorito.

Com Inovação Tecnológica

Deixe um comentário simpático neste artigo: