Deputado flagrado vendo vídeo pornô em tablet no plenário

Arifinto - Deputado flagrado

UMA CUMBUCA CHAMADA TABLET

Do blog BananaPost

Um parlamentar indonésio renunciou ao mandato nesta segunda-feira, 11, depois de ser pego vendo um vídeo pornográfico em pleno Parlamento.

O político, que usa somente o nome Arifinto, é membro do Partido da Justiça Próspera Islâmica (PKS), principal responsável pela aprovação de leis contra a pornografia.

Arifinto tocou um rebu na rede após ser fotografado assistindo a cenas de sexo explícito em um tablet no plenário do Parlamento, na semana passada.

O parlamentar alegou ter aberto inadvertidamente um endereço de internet em um e-mail, que teria levado até as imagens barra pesada.

Deputado do vídeo pornô“Peço desculpas a todos os membros do meu partido e do Parlamento pela recente cobertura da mídia”, disse Arifinto, em entrevista coletiva.

“Continuarei a trabalhar por meu partido, mas continuarei também a melhorar a mim mesmo, com penitências, lendo o Alcorão e pedindo orientações.”

A Indonésia é um estado laico, com uma longa tradição de tolerância.

No entanto, nos últimos anos, grupos islâmicos conservadores passaram a se manifestar contra determinadas práticas, tornando a pornografia um dos principais testes para a influência do Islã na política do país.

ANTIPORNOGRAFIA

O PKS é a principal força por trás das legislações contra a pornografia no país.

Se for provado que Arifinto estava realmente assistindo a um filme pornográfico, como sugere a fotografia, ele pode ser acusado e penalizado por uma lei feita por seu próprio partido.

No entanto, o chefe do corpo de Jurisprudência Islâmica do PKS, Surahman Hidayat, saiu em defesa do parlamentar.

“Os legisladores do PKS são humanos. O que aconteceu (com Arifinto) poderia ter acontecido com qualquer um.”

Cenas indiscretasMembros de outros grupos religiosos e étnicos na Indonésia, incluindo muitos muçulmanos moderados, criticaram as leis antipornografia, dizendo que elas diminuem a liberdade de expressão cultural.

Meses atrás, o PKS e outros partidos conservadores perseguiram o ex-editor da edição indonésia da revista Playboy, que não publica nudez no país.

Em janeiro deste ano, um dos astros mais conhecidos do sul da Ásia, o cantor Nazril Irham (também conhecido como Ariel), foi condenado a três anos e meio de prisão por fazer e distribuir vídeos com cenas de sexo na internet.

Ele negou ter distribuído os vídeos, alegando que eles foram roubados.

O governo também pediu que a empresa que fabrica os telefones celulares Blackberry, Research In Motion (RIM), evite disponibilizar conteúdo pornográfico em seus telefones, se quiser manter a distribuição dos aparelhos no país.

Fonte

* * *

Blog BananaPost - o porta-voz da macacada

Deixe um comentário interessante neste artigo: