Crença de que tipo sanguíneo A, B, O ou AB influencia personalidade

Tipos sanguíneos e personalidade

OBSESSÃO JAPONESA FURADA

A Cachaça da Happy Hour

No período entre a Primeira e a Segunda Guerras Mundiais, a tese foi apropriada por nazistas em busca da supremacia racial. Seus aliados do Exército Imperial japonês formavam ferozes grupos de batalha de acordo com tipos sanguíneos. Também se apoderaram dela os adeptos da Eugenia, teoria que propõe o aperfeiçoamento da espécie humana por meio de seleção genética.

DIZ-ME TEU TIPO DE SANGUE QUE TE DIREI QUEM ÉS

Você é A, B, O ou AB? Na maior parte do mundo, perguntar sobre o tipo sanguíneo de uma pessoa é relevante em um contexto médico, quando se discute a possibilidade de uma transfusão de sangue. Não no Japão.

Na sociedade japonesa existe a crença de que a personalidade de uma pessoa está vinculada ao seu tipo de sangue – e isso pode ter implicações profundas sobre sua vida amorosa e profissional.

Reza a lenda que pessoas do grupo sanguíneo A são sensíveis, perfeccionistas e trabalham bem em equipe, mas são ansiosas demais.

As do grupo O são curiosas e generosas, porém, teimosas.

Indivíduos com tipo de sangue AB são artísticos, misteriosos e imprevisíveis.

Os do grupo B são alegres, porém, excêntricas, individualistas e egoístas.

Cerca de 40% da população japonesa pertence ao grupo A, 30% ao grupo O, 20% ao grupo B e 10% ao grupo AB.

ESTUPIDEZ OBSESSIVA

Quatro livros descrevendo as características associadas aos diferentes grupos sanguíneos tornaram-se bestsellers no Japão, totalizando mais de cinco milhões de cópias vendidas. E muitos outros títulos já foram publicados sobre o tema.

Programas matinais de TV, jornais e revistas dedicam espaços regulares, como nas previsões do horóscopo, aos vários tipos sanguíneos.

Agências matrimoniais oferecem serviços baseados em grupos sanguíneos.

Quadrinhos e videogames com frequência mencionam o tipo de sangue dos personagens.

A obsessão japonesa com o assunto também resultou no surgimento de uma série de produtos, como refrigerantes, goma de mascar, sais de banho e até camisinhas direcionados a consumidores de acordo com seu tipo de sangue.

Crenças japonesas

Especialistas enfatizam que essas crenças não têm base científica e vêm tentando, sem sucesso, combatê-las.

Uma possível explicação para o fenômeno é o fato de que, em uma sociedade relativamente uniforme como a japonesa, crenças como essa são uma forma simples de dividir as pessoas em grupos facilmente reconhecíveis.

“Ser igual é considerado algo bom aqui na sociedade japonesa”, diz a tradutora Chie Kobayashi. “Mas nós gostamos de encontrar pequenas diferenças que distinguem as pessoas”.

EUGENIA E SUPREMACIA RACIAL

O sistema de grupos sanguíneos ABO foi descoberto pelo cientista australiano Karl Landsteiner em 1901. A pesquisa de Landsteiner, que lhe valeu um prêmio Nobel, abriu caminho para transfusões de sangue mais seguras.

No período entre a Primeira e a Segunda Guerra, o trabalho do australiano foi apropriado por nazistas em busca da supremacia racial.

Também se apoderaram dele os adeptos da Eugenia, teoria que propõe o aperfeiçoamento da espécie humana por meio de seleção genética.

Na década de 1930, o governo militar japonês também incorporou as pesquisas de Landsteiner para treinar soldados. Segundo relatos, durante a Segunda Guerra, o Exército Imperial formava grupos de batalha de acordo com tipos sanguíneos.

O estudo de tipos sanguíneos no Japão tornou-se popular após a publicação, na década de 1970, de um livro do escritor Masahiko Nomi, que não tem formação médica.

Mais recentemente, o filho de Masashiko, Toshitaka Nomi, publicou uma série de livros que contribuíram para disseminar ainda mais as várias teorias sobre o assunto.

Toshitaka também fundou um instituto – o Institute of Blood Type Humanics. Segundo ele, o objetivo da entidade não é julgar ou estereotipar as pessoas, mas aproveitar ao máximo os talentos de uma pessoa e melhorar os relacionamentos humanos.

CRENDICES COTIDIANAS

Essas crenças afetam a vida da população japonesa de maneiras surpreendentes.

Segundo relatos, o time feminino de softball, ganhador de uma medalha de ouro nas Olimpíadas de Pequim, usou teorias sobre tipos sanguíneos para preparar treinamentos específicos, sob medida, para cada jogadora.

Algumas escolas maternais dizem utilizar métodos de ensino baseados nos tipos sanguíneos das crianças.

E até as grandes companhias dizem se basear no tipo sanguíneo do funcionário antes de alocar tarefas e responsabilidades.

Teses de superioridade racial

Em 1990, o jornal Asahi Daily publicou um artigo dizendo que a companhia de eletrônicos Mitsubishi havia anunciado a criação de uma equipe composta inteiramente de trabalhadores com tipo sanguíneo AB, devido à “sua habilidade de fazer planos”.

A política japonesa não está imune a essas teorias. Um ex-primeiro-ministro fez questão de revelar que pertencia ao grupo sanguíneo A, enquanto seu adversário pertencia ao grupo B.

No ano passado o ministro Ryu Matsumoto teve de renunciar depois de apenas uma semana no cargo. Ele foi flagrado por câmeras de TV maltratando verbalmente um grupo de autoridades.

Em seu discurso de renúncia, Matsumoto atribuiu sua irritabilidade e comportamento impetuoso ao seu tipo de sangue – B.

PRECONCEITO BURA-HARA

Nem todos, no entanto, veem a obsessão japonesa por tipos sanguíneos como uma diversão inofensiva.

Ela às vezes se manifesta em preconceito e discriminação, algo que está se tornando tão comum que os japoneses agora têm um termo para isso: bura-hara, ou “assédio por tipo sanguíneo”.

A discriminação contra os tipos de sangue B e AB resulta em crianças sofrendo perseguições na escola, perda de oportunidades de emprego e no fim de relacionamentos felizes.

Apesar de várias advertências das autoridades, empregadores continuam a perguntar o tipo sanguíneo de candidatos nas entrevistas para empregos.

“Podemos indicar tendências gerais de um grupo, mas você não pode dizer que uma pessoa é boa ou má por causa do seu tipo sanguíneo”, disse Maekawa, autor de vários livros sobre grupos sanguíneos.

Assim como as teorias que deram origem à lenda, as conclusões do especialista também não podem ser comprovadas cientificamente.

Com BBC

Deixe um comentário interessante neste artigo: