Carta de amor para a verdade vencer a mentira e o ódio


Menina colhendo estrelaUma boataria horrorosa dando conta de que o Papa Bento XVI teria recomendado o voto em José Serra corre como praga aqui nesta região da Zona da Mata mineira, espalhada principalmente pelas beatas da ala ultraconservadora da igreja católica.

Quem vive nas redondezas de S. João Nepomuceno sabe muito bem sobre a que tipo de gente me refiro.

Por este motivo recomendo aos meus conterrâneos a não embarcarem em mais uma mentira, neste novo golpe de oportunismo político-religioso de última hora.

Assim, sugiro uma sincera reflexão sobre a Carta de Apoio a Dilma, elaborada com base na mensagem do Papa por Dom Luiz Carlos Eccel, Bispo Diocesano de Caçador, Santa Catarina:

(…) “Nosso país está em pleno desenvolvimento e assim queremos continuar e, depois de 500 anos, nosso povo quer eleger, pela primeira vez, uma mulher que tem compromisso com a vida e provou isso com sua própria vida. Como? Ela não fugiu para o exterior durante a ditadura, mas a enfrentou com garra e, por isso, foi presa e torturada.

Ela queria um país livre, e que todas as pessoas pudessem viver sem medo de serem felizes, vencendo a mentira e o ódio com a verdade e o amor, servindo aos ideais de liberdade e justiça, com sua própria vida. Disse Jesus: “Ninguém tem maior amor do aquele que dá a própria vida pelos irmãos” (Jo 15,13). Obrigado Santo Padre por suas sábias palavras! A Dilma é a resposta para as nossas inquietações a respeito da vida.

Quem sofreu nos porões da ditadura, não mata. Mas teve gente que matou a vida no seu ventre para fugir da ditadura, e portanto não deveria se comportar como os fariseus, que jogam pedras, sabendo-se pecadores.” (…)

Íntegra na Carta Maior

Deixe um comentário simpático neste artigo: