Carro Mercedes-Benz ao alcance dos novos ricos do Brasil

DISPUTA ACIRRADA PELA COBIÇADA ALEMÃ

Mercedes-Benz Diamantes

Atenção novos ricos e periféricos desta condição financeira! Comecem a arredar os móveis da sala e preparar o tapete vermelho no centro para exibir a sua nova joia aos invejosos.

É que a estilosa Mercedes-Benz vai produzir aqui os seus modelitos. Para tanto, começou a buscar o local ideal para a linha de montagem de carrões que pretende instalar no Brasil.

São Paulo e Minas Gerais, onde a montadora já tem fábricas de caminhões, além de Rio de Janeiro e, agora, Santa Catarina são os Estados cotados a receber o disputado investimento.

Oficialmente, a Mercedes confirma apenas as negociações com os governos paulista e mineiro, mas informa que várias cidades estão sendo avaliadas.

Nos últimos dias, representantes da empresa estiveram no norte de Santa Catarina para visitar terrenos na região e conversar com autoridades locais.

LEVA QUEM DER MAIS VANTAGENS À ALEMÃ

Uma das possibilidades consideradas é levar o projeto para Joinville, aproveitando a estrutura de fornecedores, logística e mão de obra que surgirá na região com a chegada da concorrente BMW na vizinha Araquari.

Ali, executivos da Mercedes vistoriaram algumas áreas industriais. O acesso portuário é um dos atrativos da região, próxima do porto de Itajaí.

A Mercedes ainda tem como opção aproveitar estruturas já instaladas no país, caso das fábricas de veículos pesados da marca em Juiz de Fora (MG), onde a montadora produziu o automóvel compacto Classe A entre 1999 e 2005, e São Bernardo do Campo.

Também há a possibilidade de compartilhamento de uma fábrica da Renault-Nissan — no âmbito de uma aliança entre os grupos — como a alternativa mais viável para retomar a produção de carros da marca alemã no Brasil.

Isso coloca a fábrica que a Nissan está erguendo em Resende, no sul do Rio de Janeiro, como alternativa ao projeto.

E aí, quem dá mais?

2 comentários em “Carro Mercedes-Benz ao alcance dos novos ricos do Brasil

  • 5 de maio de 2013 em 20:02
    Permalink

    Uma boa, quem sabe mais uma saudável disputa entre vários estados da federação oferecendo terrenos grátis, toda a infra-estrutura de acesso, de água, de gás e de energia para a fábrica sem custos, isenção de impostos por 100 anos, mão de obra barata, e financiamento do “investimento” via órgãos de desenvolvimento nacionais ou regionais, tudo bancado por nós com fundos públicos?
    Assim eles poderão fazer o favor de nos vender carros da geração anterior, devidamente depenados, digo, tropicalizados, por 3 vezes o valor que vendem na europa ou nos EUA um automóvel da última geração completo.

    Resposta
    • 5 de maio de 2013 em 20:55
      Permalink

      Irretocável o seu comentário, Roberto. É o que sempre falamos aqui sobre estes carros de plástico que não valem nem o quanto pesam em material de terceira. Você foi direto ao ponto. Clap-clap-clap!

      Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: