Carnaval em Petrópolis: quatro dias de Quarta-feira de Cinzas

SEM FOLIA E, POR ISSO, CHEIA DE TURISTAS

Grande Hotel Petrópolis

Se São Paulo foi classificado como o “túmulo do samba”, na expressão provocativa de Vinícius de Moraes, como o Poetinha denifiria a cidade serrana de Petrópolis: a “catacumba do Carnaval”?

E se o Centro Histórico perdeu os poucos eventos carnavalescos para os bairros, em compensação ganhou um cortejo de turistas interessados em sossego para descansar dos agitos do dia-a-dia.

Não foi por outra razão que a ocupação hoteleira disparou. De acordo com dados da Fundação de Cultura e Turismo, a taxa média de ocupação era de 86,64% na sexta-feira, podendo chegar a 100% nos dias de “folia”.

Apenas no primeiro distrito esse percentual encontrava-se em 83,66%, sendo que nas demais regiões como Corrêas, Nogueira, Itaipava, Araras, Pedro do Rio e Posse atingia 89,62%.

A maior parte dos hóspedes é do Rio de Janeiro, que ocupam cerca de 45% dos leitos, com destaque para famílias com crianças pequenas e idosos, seguidos de turistas de São Paulo e Minas Gerais.

Petrópolis, por influência da colonização alemã, historicamente nunca teve tradição carnavalesca. A maior parte da sua classe média costuma passar o período na Região dos Lagos, especialmente no Peró, bairro de Cabo Frio – por isso mesmo, jocosamente chamado de Perópolis.

Mais informações na Tribuna de Petrópolis

Deixe um comentário simpático neste artigo: