Black Blocs caem de joelhos perante o império da simulação

VELHA MÍDIA COMANDA AGITAÇÃO POLÍTICA

Black Blocs - Rede Globo manipulação

Esses moços, pobres moços… ah, se soubessem o que eu sei… Se eles julgam que há um lindo futuro… saibam que deixam o céu, por ser escuro, e vão ao inferno à procura de luz… (Lupicínio)

A RUA SE TORNOU UMA EXTENSÃO DOS ESTÚDIOS DE TV?

Por Wilson Ferreira *

A grande mídia coloca a morte trágica do cinegrafista Santiago Andrade num quadro mais geral de supostos “ataques arbitrários a jornalistas” que representaria uma “ameaça à liberdade de informação”.

Esse discurso parece cumprir um duplo propósito: esconder o fato de que essas manifestações apontam para uma profunda mudança nas relações entre mídia e sociedade e, também, encobrir o aproveitamento oportunista do episódio.

Com que objetivo? Reforçar ainda mais a escalada da percepção do medo e instabilidade que colocaria em xeque a legitimidade de um governo democraticamente eleito.

A morte do cinegrafista poderia ser o sintoma de uma tendência mais generalizada onde as ruas se transformam em extensões do estúdio da TV e a mídia acaba se transformando na própria notícia.

Se isso for verdade, estamos diante de mais uma bomba semiótica que demonstra que a atual guerra semiológica travada para a conquista da opinião pública passou para a fase da guerra total.

Charge Bessinha Rede Globo manipulação

Certa vez o teórico e estrategista da ditadura militar brasileira, Golbery do Couto e Silva, disse: “Tudo, menos um cadáver!”.

Era o período tenebroso da repressão política e do desaparecimento de ativistas políticos. Aparecer um cadáver que se transformasse em mártir era tudo que a ditadura não queria naquele momento e, por isso, a mídia era duramente controlada e censurada.

Era uma época em que a informação era perigosa para o Estado militar. A informação era um bem escasso, alienado e submetido às formas de dissimulação como a manipulação, mentira, censura etc.

Hoje, esse cenário de dissimulações da informação foi deixado para trás. Vivemos o momento da simulação ou daquilo que o pensador francês Jean Baudrillard chamava de “obscenidade” e “êxtase da comunicação”.

Não só as imagens de acontecimentos se proliferam e se multiplicam como, principalmente, começam a surgir relações cada vez mais promíscuas entre os acontecimentos e as mídias a tal ponto que não sabemos mais quem transmite e o que é transmitido – é o império da simulação.

Charge Rede Globo manipulação

Em 1990 muitos acharam que Baudrillard exagerava ao afirmar que diante de acontecimentos como a Revolução Romena (onde um gigantesco ossário com milhares de corpos foi montado para a mídia para parecerem vítimas da polícia secreta do ditador Ceausescu) as ruas estariam se transformando em “gigantescas extensões dos estúdios de TV”.

Todos os agentes sociais promoveriam acontecimentos para atrair o enquadramento das câmeras e serem promovidos à existência pública. Veremos adiante que o caso dos black blocs poderia ser inserido nessa tese.

Se fosse vivo, Golbery ficaria espantado com essa inversão irônica de estratégia: hoje, um cadáver foi necessário. E, mais irônico ainda, não através da morte de um ativista supostamente vítima dos embates políticos, mas alguém da própria mídia cuja tragédia se transformou em notícia.

O DUPLO PROPÓSITO DA GRANDE MÍDIA

A grande mídia insiste em interpretar a morte do cinegrafista da TV Bandeirantes na cobertura de protestos no Rio de Janeiro, ainda dentro do paradigma dos tempos de Golbery (o da dissimulação e alienação da informação).

Em editoriais fazem graves alertas que o episódio representaria uma “ameaça ao direito à informação”, à “liberdade de imprensa” e o fantasma da volta da censura com o “radicalismo das posições políticas”.

Para a grande mídia a morte do profissional da Band foi oportunamente inserida dentro das narrativas tradicionais dos cinegrafistas e jornalistas que tombaram mortos nas coberturas de guerras e revoluções ao longo da História: Guerra Civil Espanhola, Segunda Guerra Mundial, Kosovo, Guerra do Golfo etc.

Charge Bessinha Rede Globo manipulação

Essa visão da grande mídia para o trágico acontecimento parece atender a dois propósitos bem claros:

(a) Esconder que as relações mídia/sociedade mudaram radicalmente: não temos mais veículos de comunicação que relatam acontecimentos da sociedade (algo como o lema “testemunha ocular da História” do antigo programa da TV brasileira “Repórter Esso”), mas agora câmeras e repórteres entram em uma relação cada vez mais simbiótica com os fatos: incitando-os e ao mesmo tempo sofrendo o movimento inverso – fatos são criados pelos agentes sociais para atrair a mídia e notícias são plantadas para jornalistas moderem a isca e repercutirem um determinado tema, seja involuntariamente por meio de “barrigas” ou voluntariamente por ambições profissionais.

(b) Colocar a morte trágica do cinegrafista no mesmo patamar dos profissionais da notícia mortos em situações de guerra é transformar o episódio em mais uma bomba semiótica: o reforço da percepção na opinião pública de que o País vive de fato um estado de caos, pré-insurgência civil e medo. E ideologicamente martelar a convicção de que um governo que não controla as ruas não tem legitimidade, mesmo que democraticamente eleito. Não é por acaso que, no dia da morte do cinegrafista, o Jornal Nacional da TV Globo relatou o impacto internacional do caso e, de forma oportunista, foi lido um trecho de um jornal dos EUA que informava que o incidente ocorria em um momento de crescimento de protestos devido ao “desaquecimento da economia brasileira”.

Charge Latuff Rede Globo manipulação

De certa forma esse discurso que associa a morte do cinegrafista da Band às mortes de jornalistas em situações de guerra, realiza o desejo incontido revelado nos telejornais pela constante colocação das imagens de protestos no Brasil no mesmo bloco de notícias dos conflitos na Síria e Ucrânia: o sonho de ver o País também pegando fogo.

A MORTE DO CINEGRAFISTA E O ESVAZIAMENTO DOS PROTESTOS

A morte do cinegrafista da Band surge num momento de visível esvaziamento icônico das manifestações de rua.

Ao contrário das grandes manifestações de junho do ano passado e de alguns meses subsequentes, onde as câmeras mostravam planos aéreos (por que em terra os repórteres eram hostilizados) de grandes massas humanas com milhares de manifestantes que tomavam ruas e avenidas com faixas e bandeiras.

Ao contrário, nos últimos meses tornou-se visível o esvaziamento: planos aéreos mostram espaços vazios com algumas dezenas de mascarados depredando, incendiando e correndo de forma desencontrada.

Enquanto isso cidadãos correm, se escondem e desaparecem, tal como nas coberturas futebolísticas.

Nelas, a TV Globo, para esconder as arquibancadas vazias, fecha as câmeras nas áreas com torcedores e abre o áudio para encher o silêncio do estádio, da mesma forma que as câmeras fecham em incêndios, vitrinas quebradas e ônibus incendiados, descontextualizando as cenas.

Charge Rede Globo manipulação

Por isso, as tomadas de imagens das últimas manifestações têm retornado ao chão para conseguir dar um gás maior de dramaticidade e gravidade aos eventos.

Os planos com mais detalhe e imagens mais vívidas e dinâmicas com menos imagens em plano conjunto evidenciam o baixo número de pessoas concentradas. Um número baixo, pelo menos comparando com as célebres imagens das manifestações do ano passado.

Os black blocs ou grupos radicais sabem disso. Por isso suas ações são cada vez mais icônicas, pois sabem que contarão com os planos fechados das câmeras: colchão incendiando no meio da rua, flagrantes de ponta-pés e pedradas em fachadas comerciais, caixas-eletrônicos sendo estourados.

Supostas provas incontestes do caos da vida do brasileiro: ele não pode ir e vir, fazer compras no comércio e nem fazer transações financeiras.

O ESTÚDIO DE TV COMO CENTRAL REVOLUCIONÁRIA

Por toda parte há uma pulsão irresistível de comunicação, uma vontade de transparência. A grande mídia diz que a liberdade de informação foi ameaçada e os black blocs compulsivamente querem ocupar um lugar na tela da TV.

Seus gestos são estereotipados, seu gestual e indumentária são overacting. Remetem a todo um inconsciente coletivo de símbolos e imagens de épocas onde as revoluções, protestos e confrontos visavam imediatamente a tomada do Poder e do Estado: a Queda da Bastilha, a Revolução Bolchevique, a Revolução Iraniana, os protestos estudantis de Maio de 68 na França etc.

Charge Rede Globo manipulação

Eles não visam mais o Poder e o Estado: querem ocupar o não-lugar da tela da TV. Todos fazendo figurações para aparecerem a todo custo na tela.

Porém, existe um rendimento político da ação desses jovens que acreditam que o estúdio de TV se tornou a central revolucionária.

São atores envolvidos numa má produção e que se transformaram numa bomba semiótica lançada contra a opinião pública dentro de um projeto sinistro: desestabilização política, a escalada da percepção de medo e insegurança em um ano em que qualquer coisa se transformará em nitroglicerina pura.

A MORTE DO CINEGRAFISTA COMO SINTOMA

Portanto, a trágica morte do cinegrafista da Band deve ser vista principalmente como um duplo sintoma:

. Primeiro, das transformações estruturais que a mídia, e o jornalismo em particular, estão sofrendo onde o objeto da notícia não é simplesmente alienado (como na época da ditadura), mas agora é simplesmente abolido.

Charge Rede Globo manipulação

A mídia cria seu próprio objeto noticiável enquanto o objeto apenas obedece ao script que chefes e editores estabelecem. Os “vândalos” black blocs fazem apenas isso: correspondem aos estereótipos midiáticos como uma espécie de profecia auto-realizável.

Dessa vez, a vítima foi um profissional da mídia que se transformou em notícia, em uma espécie de cadáver oportuno para manter a dramaticidade necessária de uma atração que já começava a esvaziar.

Mas poderia ter sido a família do fusca em chamas em São Paulo (vítimas perfeitas para o momento), mas não deu certo. Caso contrário, talvez o cinegrafista da Band ainda estivesse vivo.

. Segundo, o sintoma de que as bombas semióticas tornam-se cada vez mais sujas. Elas parecem que abandonaram a precisão cirúrgica das primeiras detonações, e agora buscam a guerra total (blitzkrieg) sem quartéis.

A indignação moral da grande mídia contra a ameaça à “liberdade de imprensa” é uma reposta necessária para manter a ilusão de que ainda existe a informação (o objeto da notícia) e a prova inconteste de que o País supostamente caminharia em passos largos para o abismo.

Por isso, a partir desse momento apertem os cintos…

* No Cinegnose

Deixe um comentário interessante neste artigo: