Benetton contra o preconceito em nova campanha publicitária

UM POUCO MENOS POLÊMICA

A Cachaça da Happy Hour

Escândalo! Essa é a marca da Benetton, tão conhecida por abalar preconceitos estação após estação como por seus produtos. E a campanha de janeiro fala por si. Um elenco de modelos repleto de “personalidades notáveis” é a pièce de résistance da nova coleção de Alessandro Benetton.

Ninguém esquece o spot publicitário da Benetton que mostra um soropositivo à portas da morte ou o de um recém-nascido ainda preso à mãe pelo cordão umbilical, e ainda só íamos lá pela década de 90.

Em 2011, o Vaticano condenou outra campanha que mostrava apenas um beijo entre duas pessoas pertencentes a dois mundos diferentes e pouco compatíveis. Merkel beija Sarkozy, Obama beija Hu Jintao e o Papa Bento XVI beija Hugo Chávez.

Anúncio comercial Benetton - Discriminação

Este ano, a marca capta a atenção por outros motivos. Novas roupas, novos modelos, novo objetivo.

Alek Wek é uma modelo sudanesa que conseguiu escapar à guerra civil no seu país.

Charlotte Free é uma “baixinha” californiana que tenta quebrar os preconceitos no mundo na moda com os seus 1,67 m e cabelo cor-de-rosa.

Mario Galla alimenta os pobres e causou sensação ao revelar a sua perna artificial na Semana da Moda de Milão, em 2012;

E Lea T é uma das modelos mais bem sucedidas no mundo, mas nasceu Leandro Cerezo, filho de Toninho Cerezo, o ex-jogador de futebol brasileiro.

A campanha primavera-verão da Benetton estará disponível nos outdoors publicitários e nas páginas das revistas durante os próximos meses e promete “lutar contra o ódio e a discriminação em todas as suas formas”.

Com DN.pt

Deixe um comentário interessante neste artigo: