Banqueiros demitem Silvio Berlusconi, primeiro-ministro da Itália


Primeiro-ministro italiano

DISFUNCIONAL

O Chefe de Redação

Bancos fazem gato e sapato de Berlusconi e do Estado italiano cobrando juros equivalentes aos que levaram Portugal, Grécia e Irlanda à falência. Só uma guinada histórica daria um cala-boca nos mercados. Justiça seja feita, o verdadeiro nome da crise européia é ‘supremacia das finanças desreguladas’. Ou, rapto da democracia pelo dinheiro.

ESTADO ITALIANO PERDE O CONTROLE DO PAÍS

por Saul Leblon *

Mercados esfolaram a Itália até o osso esta semana, num misto de pânico e oportunismo com o vazio político criado pela demissão branca de Berlusconi, imposta pelo poder financeiro. Il Cavalieri tornou-se disfuncional para a banca credora do país que tem a terceira maior dívida do mundo, depois do Japão e dos EUA.

E isso diz algo sobre a natureza excludente da lógica que originou a crise mundial e comanda a sua ‘convalescença’. Até mesmo um neoliberal populista como o vulgar premiê, outrora adulado pela plutocracia global, passou a ter dificuldade política para implantar todo o arrocho requerido pelo BCE , o FMI e os credores.

Em troca da solvência de uma economia que precisa rolar 300 bi de euros em 2012, os ajustes cobrados de Roma incluem a elevação da idade de aposentadoria para as mulheres; cortes de gastos com a infância e a velhice; novos impostos e privatizações em massa.

O pânico decorre do fato matemático de que a dívida italiana — da ordem de 2 trilhões de euros [superior, portanto, que todo o PIB brasileiro] — é quase seis vezes maior que a da Grécia, por exemplo. Significa que a Itália é irresgatável pelos mecanismos à disposição das lideranças do euro (um fundo de 400 bi de euros, cuja expansão para 1 trilhão depende da adesão chinesa).

É isso que permite aos credores fazer gato e sapato de Berlusconi e do Estado italiano cobrando juros equivalentes aos que levaram Portugal, Grécia e Irlanda à falência. Só uma guinada histórica daria um cala-boca nos mercados.

Seria preciso o BCE abandonar a ortodoxia e intervir pesado, comprando títulos. Ou seja, assumir um papel regulador das finanças para disciplinar os ganhos e impor perdas aos rentistas com o manejo de uma dupla ferramenta: mais liquidez e menos juros. Mas isso, os ‘mercados auto-reguláveis — vocalizados por Angela Merkel — esconjuram.

É forçoso fazer justiça. O verdadeiro nome da crise europeia não é ‘Berlusconi’, nem ‘Papandreou’ ou ‘Zapatero’, mas, sim, supremacia das finanças desreguladas. Ou, rapto da democracia pelo dinheiro.

* No Blog das Frases

* * *

O Chefe de Redação


Deixe um comentário simpático neste artigo: