Antigamente era bem mais fácil namorar dentro do automóvel

HOJE, SÓ ANORÉXICOS E CONTORCIONISTAS

Motel Ambulante

Já foi tempo em que era super romântico, confortável e seguro namorar dentro de um carro. Você estacionava a banheira em qualquer lugar ermo que não aparecia ninguém pra te cortar o barato.

Hoje não, nesses veículos de cockpit compacto, com painéis rebaixados e consoles porta-tudo entre o motorista e o passageiro, só se for anoréxico ou contorcionista. Além da falta de segurança, claro.

A não ser que se pule para o banco de trás ou para o bagageiro, o que, convenhamos, é sempre uma encrenca a mais para quem tem que ficar com um olho na missa e outro no padre. É complicado…

O que faz lembrar uma piada boazinha, só pra desopilar:

O casal tá no carro “mandando bala” num namoro desenfreado.

Beijo pra lá, beijo pra cá, mão na coisa, coisa na mão e lá pelas tantas…

— Não quer ir para o banco de trás? — diz ele visivelmente excitado.

— Para o banco de trás? Não!

O namoro continua, mais beijo, mais aperto, mais amasso e…

— Não quer mesmo ir para o banco de trás? — diz ele, com mais vontade ainda.

— Não, não quero.

O sujeito, já meio aflito, continua na pegação até que…

— Tem certeza de que não quer ir para o banco de trás? — insiste desesperado.

— Mas que coisa! Já te disse que não! Claro que não!

— Mas por quê?

— Porque prefiro ficar aqui, perto de você…

Deixe um comentário simpático neste artigo: