Alerta nuclear – radiação atinge o nível máximo no Japão


Usinas nucleares

EQUIVALENTE A CHERNOBYL

Do blog ECOnsciência

Autoridades no Japão elevaram a gravidade da crise nuclear no país para o nível máximo nesta terça-feira, 12. O grau de alerta passou de 5 para 7 — que só havia sido usado anteriormente durante o desastre de Chernobyl, em 1986.

A decisão de aumentar o nível de ameaça foi tomada depois que a radiação chegou a 10.000 terabecquerels por hora na usina de Fukushima, por várias horas. A medição é compatível com a classificação da Escala Internacional de Eventos Nucleares que significa “grande acidente com amplas consequências”.

Até agora, o grau de gravidade da crise nuclear no Japão estava no nível cinco, o mesmo do acidente em Three Mile Island, nos Estados Unidos, em 1979.

A Tokyo Electric Power Company (Tepco), operadora da usina nuclear de Fukushima, no Japão, indicou nesta terça-feira a possibilidade de os vazamentos de materiais radioativos na central superem os ocorridos na Ucrânia.

“O vazamento de radiação não foi completamente controlado e nossa preocupação é que a quantidade possa a longo prazo superar a de Chernobyl”, indicou uma fonte da Tepco

O Japão também decidiu ampliar a zona de evacuação em torno da usina nuclear afetada, por causa da preocupação com o vazamento radioativo.

A zona passará a incluir cinco comunidades fora do raio de 20 quilômetros estabelecido anteriormente, após novas informações sobre os níveis de radiação acumulada, que teriam ultrapassado os limites anuais em áreas 60 quilômetros a noroeste da usina e cerca de 40 quilômetros a sul-sudoeste do local.

No Leste do Japão, um novo tremor de magnitude 6,3 pôde ser sentido nesta terça-feira, o segundo em apenas dois dias. O Aeroporto Internacional de Narita fechou suas pistas temporariamente e os serviços de trem e metrô foram interrompidos, na capital, Tóquio.

Os tremores secundários acontecem um mês depois que um violento terremoto e um tsunami atingiram o país, deixando [oficialmente] quase 28 mil pessoas mortas ou desaparecidas.

Campanha ambientalista

Último Segundo, com imagens do protesto “No Más Fukushima” realizado na Espanha pelo grupo ambientalista Greenpeace.

* * *

Blog ECOnsciência Inovadora

Deixe um comentário simpático neste artigo: