AirPod – o carro ecológico movido só a ar comprimido


O AirPod foi criado para ser usado em cidades, com autonomia de 220 km e velocidade de 70 km/h.

Do blog ECOnsciência

Não usa nem gasolina, álcool, hidrogênio e nem eletricidade. Imagine um carro movido simplesmente a ar. Parece piada, mas é esse o combustível do AirPod — ou Air Car –, um pequeno veículo urbano desenvolvido pela empresa ZPM, cuja sigla significa “Zero Pollution Motors” ou algo como a marca da poluição zero.

O conceito soa tão simples quanto genial: um compressor enche um reservatório de 175 litros em cerca de dois minutos e o AirPod, a partir daí, pode rodar até 220 km, a uma velocidade máxima de 70 km/h. O ar é usado para mover um pistão com o mesmo mecanismo de um propulsor a explosão.

Carro movido a ar comprimido

Claro, só não é uma tecnologia completamente limpa porque o tal compressor precisa de energia para inserir o ar no “tanque” do carro, mas o benefício é infinitamente superior a outras tecnologias.

Obviamente, ninguém espera ver esportivos rasgando as estradas com seus motores a ar, mas para algumas funções urbanas, a ideia parece viável, ainda mais agora com toda a pressão por veículos ecológicos.

O carro a ar não é um projeto tão novo quanto parece. Ele surgiu da mente do engenheiro francês Guy Negre (na foto abaixo), que trabalhou na Fórmula 1 nos anos 80. Ciente do futuro do seu projeto, ele pacientemente tem construído protótipos e apresentado sua ideia pelo mundo, inclusive no Brasil há alguns anos.

Sua empresa, a MDI, começou a ser viável quando a indiana Tata Motors decidiu investir na tecnologia, antevendo uma versão movida a ar do Nano, o carro mais barato do mundo.

O AirPod seria um dos primeiros carros do tipo a chegar ao mercado americano em versão para até quatro passageiros (três adultos e uma criança) ou de carga.

Inventor francês

A procura de fontes de energias alternativas para substituir os atuais combustíveis é um esforço global, sabendo-se que os poços de petróleo vão inevitavelmente secar um dia. Temos, em função disto, dispendido tempo e esforço nas áreas de biocombustíveis e energia solar.

É de pasmar, portanto, que nem a Honda ou a Toyota, nem tampouco Ford, GM ou Chrysler tenham se interessado por um projeto tão simples e inovador.

A verdade é que comeram barriga e o AirPod já está sendo promovido nos USA pelo respeitável ator Pat Boone. Como Pat disse recentemente, este carro movido a ar “é super amigo do meio ambiente, livra-nos da adição e dependência do petróleo e é divertido dirigir”.

Segundo a MDI, AirPod pode ser reabastecido ligado a uma tomada elétrica por 8 horas, ou apenas 2 minutos em uma estação que tenha ar comprimido — destas que você usa para encher e calibrar os pneus do seu carro.

Este “carro verde” de vários modelos custa a partir de 7 mil 500 dólares (ou 12 mil reais), um valor acessível aos consumidores. Super econômico, o custo de combustíveis é de R$ 1,60 por cada 180 km — menos que o de uma moto, por exemplo.

Movido a oxigênio
Tecnicamente, como o nome indica, o AirPod usa como combustível ar partindo do mesmo princípio de quando você enche um balão e solta em sua frente. O ar comprimido gira o motor do veículo dando condição que você possa manobrá-lo.

Este compact “air car” de moderno design tem assentos para 3 , 4 e 5 pessoas e ainda sobra espaço para a bagagem. O menor modelo tem apenas três rodas, bem parecido com um triciclo futurista coberto. Pode viajar até 120 kilómetros com um único tanque de 46 litros de ar.

Contudo, um sistema de aquecimento do ar comprimido a ser introduzido, vai dar uma autonomia de até 1.000 quilômetros. O peso é leve devido ao seu design moderno e é super eficiente pois você não irá recarregá-lo na bomba de combustiveis.

A Tata Motors é a maior companhia de automóveis da Índia. Foi ela que recentemente adquiriu as linhas Land Rover e Jaguar, da Ford. A Tata está em plena produção dos “Air Cars” na Índia e lançando na Austrália e em outros 12 países. A França e os USA lançam este ano. Em breve eles desembarcam no Brasil.

Com informações da AMPVA

* * *

Blog ECOnsciência Inovadora

Deixe um comentário simpático neste artigo: