A sensação de bem-estar em massa que decide a eleição

?

?Uau! Eu me sinto bem, eu sabia que me sentiria

Eu me sinto bem, sabia que me sentiria

Tão bem, tão bem, por ter você…

(James Brown)

OS PROGRAMAS DE DILMA E SERRA

Por Eduardo Guimarães *

A primeira impressão que os programas de Serra (tanto o da tarde, quanto o da noite) me causaram foi de déjà vu, ou seja, de já ter visto aquilo antes. O velho esquema de colocar pessoas carentes, em boa parte idosas, para elogiarem um tucano docemente constrangido unido a cenas cinematográficas de obras na saúde que o povo só vê na televisão.

Já os programas de Dilma impressionam sobretudo pelo formato inovador e, em certa medida, grandiloquente, sim, porém transmissor de entusiasmo ao citar conquistas do país que conferem ao presidente da República e ao seu governo os índices estratosféricos de popularidade que se sabe.

Dizem que a coligação que apóia Serra tem um arsenal de ataques à honra de Dilma preparado para explodir na telinha e no rádio nos próximos dias. Pode ser que use. Contudo, não acho que será uma boa ideia em um momento de pura promessa que o país vive.

O brasileiro aprendeu, nos últimos anos, que é possível, sim, mudar de vida através do voto neste ou naquele candidato. Ouso dizer que o cidadão comum já reflete como a decisão que tomou em 2002 o levou aonde está hoje.

A questão é saber onde o brasileiro está, portanto. Pelo que sei, está conseguindo empregos, está conseguindo ver os filhos entrarem na universidade, está tendo aumento de salário, está vendo a renda familiar crescer, enfim, está vendo pontos positivos do país de uma forma que o faz responder como tem respondido às pesquisas sobre como vê o governo.

Serra continua com o discurso de 2002, quando o povo se importava com migalhas como os genéricos porque andava com os bolsos furados pelas incessantes crises da era FHC. Hoje, não precisa mais de estratégias de barateamento de itens básicos simplesmente porque tem dinheiro no bolso para comprá-los.

O programa de Dilma foi mais hábil em explorar esse sentimento que ficou conhecido como sensação de bem-estar em massa, ou, como preferem alguns, o “feel good factor”. O de Serra simplesmente acenou com exaltação de um político por supostos feitos de sua autoria que já se incorporaram ao país em uma época que muitos preferem esquecer…

* Publicado no Blog da Cidadania. A autoria da animação é de Esther.

4 comentários em “A sensação de bem-estar em massa que decide a eleição

  • 18 de agosto de 2010 em 15:03
    Permalink

    rsrsrsrsrsrs………
    E eu me amarrei no jeitão feliz do boneco.
    Muito legal MESMO !!!

    Resposta
  • 18 de agosto de 2010 em 14:32
    Permalink

    O chamado “feel good” sempre decidiu todas as eleições ao longo da história em qualquer país do mundo. É isso aí, os caras não têm o que fazer, a não ser continuar dando “varada n’água” a esmo.

    Resposta

Deixe um comentário simpático neste artigo: