A pintura de Alexa Meade: entre o real e a ilusão de ótica

UMA GAROTA ESTÁ REINVENTANDO A ARTE

Ao longo de todos estes séculos de arte, imaginava-se que a pintura tinha esgotado os seus padrões — simbolismo, surrealismo, pintura abstrata, foto-realismo, impressionismo, expressionismo etc.

Realmente, parecia difícil supor que surgisse um artista capaz de inovar tanto. Aí apareceu uma jovem norte-americana de 25 anos que, sem a menor cerimônia, botou tudo de pernas para o ar.

Ilusão de Ótica

O trabalho de Alexa Meade situa-se na interseção da pintura, fotografia, instalação, performance e a segurança de quem cria ilusões de ótica perfeitas.

A sacada genial é que, em vez de criar os quadros em uma tela plana, ela desenvolve suas pinturas de representação diretamente em cima dos temas físicos.

Ilusão de Ótica

Para  simplificar, funciona assim: Alexa cria o fundo e os adereços e, quando tudo estiver pronto, ela pinta seu modelo e fotografa o resultado.

Após o registro fotográfico, a pintura representacional e o assunto a ser referenciado parecem ser a mesma coisa. Ou seja, o espaço 3D de suas cenas pintadas se torna oticamente compactado em um plano 2D.

Ilusão de Ótica

Que etapa do processo seria a parte principal? A preparação? A tinta que é aplicada aos objetos e ao modelo para criar efeitos de luz? A forma como a fotografia é encenada?

As perguntas não calam: são simplesmente as fotos que saem da câmera ou quem as está executando? É o artista ou o modelo? Será um tipo colaborativo e revolucionário de arte?

Ilusão de Ótica - Pintura Corporal

Enfim, o resultado desta técnica é uma questão para os pesquisadores da arte. Ela faz o espectador pensar sobre a composição e a escolha do assunto ao revelar todo um processo de criação.

Através do desempenho e da fotografia, Alexa Meade reescreve a história da pintura e traz um novo sopro de vida à arte. O que mais um artista pode fazer?

Deixe um comentário simpático neste artigo: