A picada mortal do escorpião, uma questão de natureza moral

A natureza do escorpião Serra

A FÁBULA DO ESCORPIÃO E DO SAPO


Era uma vez um escorpião desejoso de praticar o bem. Como não era bem visto pela comunidade local, resolveu ir viver do outro lado do rio. Lá, poderia exercitar seu “altruísmo” sem desconfianças.

Mas ele não sabia nadar e precisava atravessar de uma margem para a outra. E sua espécie ainda não havia acumulado o conhecimento náutico suficiente para construir um barco viável para fazer a travessia.

Então resolve pedir carona nas costas de um sapo. Vai lá conversar com ele para expor seu pleito.

O sapo o ouve atentamente. Pensa que o escorpião o está confundindo com um burro e declara:

– Senhor escorpião, não posso dar-lhe carona em minhas costas porque durante a travessia o senhor vai me ferroar.

O escorpião, leitor assíduo de Aristóteles e de São Tomás de Aquino, replica imediatamente:

– Senhor sapo, eu jamais o ferroaria na travessia, pois ao fazê-lo, o senhor afundaria e eu morreria afogado.

Realmente, sapo não é burro mas é batráquio.

Pois não é que o sapo acatou o arrazoado do escorpião, reviu sua opinião e resolveu dar a carona!

Porém, em dado momento da travessia, o sapo sentir penetrar profundamente o ferrão em sua carne sapal.

E, já se debatendo, ainda teve tempo de, perplexo, perguntar ao escorpião:

– Mas por quê?

E, antes da submersão fatal, ouviu a seguinte resposta escorpiônica:

– É algo acima de mim, fora de meu controle, é da minha natureza!

* Com ilustração do chargista Bira

Deixe um comentário interessante neste artigo: