A ditadura do pensamento único na grande e velha mídia

Ditadura das TVs
Alguns cérebros mais brilhantes da mídia eletrônica alternativa já começam a admitir a existência de assuntos em torno dos quais a chamada grande mídia – ou PiG – sempre fecha uma espécie de posição consensual e monolítica.

Todos os veículos têm a mesmíssima opinião mal-humorada sobre tudo – inclusive de bom – que acontece, principalmente no Brasil.

Os jornalistas Bernardo Kucinski e Venício Lima alertam para a cultura autoritária do jornalismo até à perda da função informativa do que se convencionou chamar de grandes jornais. Eles acham que esses veículos estão ampliando a função ideológica para compensar a perda da função informativa, onde foram literalmente atropelados pela Internet.

Dessa forma, então, o tal tipo de consenso parece fazer crer em algo na esfera jornalística, como “um único editor, um supraeditor”. Seria, assim, uma espécie de guardião da doutrina da fé de seus patrões, como um certo cardeal de um carrancudo grupo de mídia muito conhecido e cada vez mais assustador.

Segundo Renato Rovai, da Revista Fórum, ainda não se confirmou a existência de tal Big Brother midiático no jornalismo tupiniquim, mas durante um bom tempo – garante – na Venezuela isso de fato ocorreu.

Funcionava da seguinte forma: um grupo de editores de diferentes veículos combinava antecipadamente o que ia ao ar em todos os telejornais comerciais para garantir a mesma versão da cobertura noticiosa, principalmente na editoria de política. A isso se deu o nome de “una sola voz”.

Aqui, por acaso, é diferente? Poderíamos chamar isso de que? De ditadores do pensamento único?

2 comentários em “A ditadura do pensamento único na grande e velha mídia

  • 1 de novembro de 2009 em 21:22
    Permalink

    Esse tal ‘cardeal’ seria um certo rat…zinger global?
    hehehehe…………………

    Resposta
  • 1 de novembro de 2009 em 20:18
    Permalink

    Se os oligopolios de produtos fisicos combinam os preços, os grandes veículos de mídia não iam cartelizar a informação? Parece evidente isso. Claro que há uma coordenação no troço, controlada com mão de ferro por uma cúpula seletíssima.

    E nao é só aqui não, Nivia. Os caboclos apenas cumprem ordens externas e aplicam o modelito que já vem embrulhado e testado lá de fora. Nada a ver com teorias da conspiração, mas essa praga é pandemica. É a pura realidade, obvia e ululante.

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: