85% dos posts no Facebook já são negativos para Aécio Neves

O CAOS DOS AÉCIOPORTOS OU AERONEVES

A crise do Aécioporto está sendo devastadora para o candidato do PSDB, de acordo com relatório produzido por uma empresa de análise das redes sociais a que o blogueiro Renato Rovai teve acesso.

Ao longo da semana, subiram a 85% as publicações que se relacionavam aos tucanos no Facebook com abordagens negativas para a legenda. Apenas 8% dos posts e comentários eram positivos.

Aécioporto ou Aeroneves

O caso do aeroporto “familiar” em Cláudio (MG) foi o tema principal de 48% das postagens na rede que mencionavam o PSDB e mostra o impacto que o episódio teve junto à opinião pública conectada.

No Twitter, a situação é um pouco melhor, mas também muito ruim: 71% das mensagens são negativas e 36% dos tuítes falam sobre o Aécioporto. Mas, e agora, com a descoberta da pista de Montezuma?

Bolsa Aeroporto

Sobre o vídeo, Turista da Veiga é obviamente uma sátira ao candidato do PSDB ao governo de Minas.

5 comentários em “85% dos posts no Facebook já são negativos para Aécio Neves

  • 2 de agosto de 2014 em 20:48
    Permalink

    Fantástico, SHELLEN GALDIN:

    “Sou contra o Bolsa Aeroporto. O Aécio não deveria dar aeroportos aos parentes, e sim ensiná-los a voar”.

    Sendo assim o ROMBO NOS COFRES PÚBLICOS seria bem menor!

    Vc tem razão SHELLEN

    Resposta
  • 27 de julho de 2014 em 12:01
    Permalink

    A repercussão gigantesca do escândalo do Aecioporto não tem como pano de fundo nenhuma histeria moralista. Alastrou-se tanto porque o episódio revela a personalidade política de Aécio Neves.

    Preenche uma lacuna que já começava a incomodar os brasileiros: quem é, afinal, esse homem da oposição que apregoa ser o único capaz de derrotar a situação?

    Mais que uma denúncia, é um episódio revelador, ilustrativo, pedagógico.

    Aécio Neves revelou-se, para um Brasil profundamente angustiado pelo desejo de ter um governo mais moderno e mais ousado, um caso melancólico e contraditório.

    Um coronelzinho metido a playboy carioca.

    Construiu aeroporto, com verba pública, na fazenda ao lado da sua, que pertence ao tio.

    Outro aeroporto construído por Aécio, em Montezuma, também fica ao lado de uma grande propriedade que herdou do pai, obtida através de uma bizarra operação de “grilagem” legal de terras públicas do estado de Minas Gerais.

    Á luz de tanto aereo-patrimonialismo, redescobrimos que FHC também tinha seu aeroportozinho particular, construído pela Camargo Correa num terreno ao lado da fazenda do ex-presidente, logo após sua vitória em 1994.

    Enfim, o escândalo do Aecioporto parece ter causado mesmo sérios danos nas turbinas eleitorais do candidato.

    Aécio tenta agora fugir do assunto dizendo que “está tudo esclarecido” e atribuindo tudo a uma grande conspiração do PT.

    De fato, as coisas agora ficaram bem esclarecidas.

    A máscara de “moderno”, de “ético”, de Aécio Neves, caiu no chão e se quebrou.

    Pior que isso: ele não consegue reagir, porque não sabe o que fazer. Durante anos, em Minas, nunca ninguém lhe contestou.

    O Brasil está conhecendo Aécio Neves apenas agora. Antes cedo do que tarde demais.

    Resposta
  • 26 de julho de 2014 em 19:01
    Permalink

    EU gostaria de ver mais sobre esta noticia na mídia televisiva, quero entender melhor, mas eles pouco falam, (melhor, nada falam). Agora só vou ficar na internet, aqui sou mais informado!

    Resposta
    • 26 de julho de 2014 em 19:20
      Permalink

      Verdade, Binho. Na velha mídia a blindagem é poderosa. Nossas únicas alternativas são a blogosfera independente (porque os sites dos grandes portais estão comprometidos) e as redes sociais. Mas, tá bom, apesar da desproporção de forças dá para desenvolver uma boa luta de guerrilha.

      Resposta
  • 26 de julho de 2014 em 18:48
    Permalink

    Nossa! depois desta será que Aécio pedirá pra sair? Era bom né!!!!!!!!! Tô chocado com estas matérias que tenho lido a respeito! O Brasil não merece isto, não!!!!!!

    Resposta

Deixe um comentário interessante neste artigo: